Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A utilização por parte dos internautas de software que bloqueiam a publicidade pode custar aos sites pelo menos 21,8 bilhões de dólares neste ano em todo o mundo

(afp_tickers)

A utilização por parte dos internautas de software que bloqueiam a publicidade pode custar aos sites pelo menos 21,8 bilhões de dólares neste ano em todo o mundo, e mais 41 bilhões em 2016, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira.

A quantidade de internautas que utiliza este tipo de programas aumentou 41% nos últimos 12 meses, chegando a 198 milhões, segundo o estudo realizado pelo Adobe e pela sociedade irlandesa PageFair, especializada na recuperação dessas receitas perdidas.

Esta prática pode afetar os sites de internet que dependem das receitas publicitárias, sobretudo os que oferecem conteúdo gratuito, alerta o estudo, que afirma que "o bloqueio de publicidade representa agora uma ameaça existencial para o futuro dos conteúdos gratuitos na internet".

O diretor da PageFair, Sean Bleachfield, considera "trágico que os usuários de bloqueadores de publicidade causem sem desejar perdas de bilhões de dólares a seus sites preferidos".

"A medida que o bloqueio de publicidade se estende aos dispositivos móveis, há um grande perigo de que o modelo de atividade que sustentou a internet nas últimas duas décadas se desmorone", advertiu.

Os consumidores já podem acrescentar a seu navegador de internet programas de bloqueio de publicidade. Espera-se que a próxima versão do iOS, o sistema operacional do iPhone e o iPad da Apple, incorpore um instrumento similar.

"A maioria dos consumidores aceita o compromisso que implica a 'gratuidade' (on-line): te dou informação sobre mim em troca das suas séries de televisão, filmes, artigos de jornal, serviços. Mas isso termina quando começa a publicidade, que é intrusiva, chata ou impertinente", avaliou Campbell Foster, responsável pelo marketing de produtos do Adobe.

AFP