Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Turbinas de energia eólica são vistas na costa de Kamisu, distrito de Ibaraki, Japão, em 26 de abril de 2013

(afp_tickers)

A filial de energia do grupo de telecomunicações japonês Softbank anunciou nesta terça-feira ter investido em uma sociedade que irá construir e operar um grande parque eólico comercial na costa de Ibaraki, no leste do Japão.

SB Energia investiu 49,9% na Wind Power Energy, que planeja instalar cerca de vinte turbinas eólicas de 5.000 kilowatts cada fora da cidade de Kashima, com uma capacidade total de 100 megawatts, o suficiente para abastecer o equivalente a mais de 60.500 casas.

Mesmo em nível asiático, trata-se de um dos maiores projetos, ressalta a filial do SoftBank. Também será o primeiro parque eólico comercial desta magnitude no Japão.

Ibaraki faz fronteira com Fukushima e é uma das cidades que mais sofreu com o desastre nuclear de 11 de março de 2011.

O líder do projeto, Komatsuzaki Group, e o SoftBank também indicam que desejam ir além desta primeira instalação offshore para promover o desenvolvimento de energias limpas e renováveis, cuja participação ainda é pequena na produção de eletricidade no arquipélago.

O fundador e diretor do Softbank, Masayoshi Son, tornou-se depois do desastre de Fukushima um ativista antinuclear, que decidiu investir em energia para ajudar o Japão a se livrar da exploração do átomo em favor de recursos limpos.

Atualmente, 48 reatores nucleares no arquipélago estão parados, mas as compras externas de petróleo subiram para preencher esse vazio, resultando em grandes déficits comerciais.

Para desgosto de Son, o governo de direita de Shinzo Abe quer que algumas dessas unidades nucleares sejam reabertas nos próximos meses.

Diante disso, SoftBank já criou parques solares, instalou turbinas eólicas em várias regiões do Japão, e criou uma joint venture com a jovem sociedade americana Bloom Energy para fornecer às empresas e instituições geradores de energia de célula de combustível.

AFP