Navigation

SpaceX e Nasa vão enviar astronautas ao espaço durante pandemia

(2019) O chefe da Nasa, Jim Bridenstine, o fundador da SpaceX, Elon Musk, e os astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, na sede da SpaceX em Los Angeles afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. maio 2020 - 20:22
(AFP)

Apesar da pandemia do novo coronavírus, a Nasa e a Spacex anunciaram nesta sexta-feira que mantêm os preparativos para retomar, em 27 de maio, os voos espaciais tripulados, após nove anos de interrupção.

Dois astronautas serão enviados do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, para a Estação Espacial Internacional (ISS). O administrador da Nasa, Jim Brindenstine, disse em teleconferência que a cápsula Crew Dragon, da SpaceX, retomará pela quinta vez os voos espaciais tripulados, após os programas lendários Mercury, Geminis, Apolo e o de ônibus espaciais.

"Em escala mundial, está será a nona vez na História em que lançaremos astronautas em um novo dispositivo", assinalou Brindenstine. A missão se desenvolve "em meio à pandemia de coronavírus. É uma missão de alta prioridade para os Estados Unidos."

Devido a esta situação de emergência sanitária, "pedimos às pessoas que não se dirijam ao Centro Espacial Kennedy", enfatizou o chefe da Nasa. "Realmente sinto muito, lamento não poder fazer disto algo mais espetacular."

Bob Behnken e Doug Hurley, os dois astronautas da Nasa que treinam há anos para esta missão de demonstração, chamada Demo-2, permanecerão na ISS por um período de um a quatro meses.

A SpaceX, empresa fundada por Elon Musk, criador da Tesla, que leva provisões à ISS desde 2012, situou-se como líder dos lançamentos espaciais privados graças a seu foguete reutilizável Falcon 9.

O lançamento está previsto para as 8h42 GMT deste 27 de maio e o acoplamento com a ISS acontecerá um dia depois.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.