Navigation

Talibãs incendeiam 200 caminhões-tanque perto de Cabul

Caminhões-tanque incendiados perto de Cabul em 5 de julho de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. julho 2014 - 11:06
(AFP)

Os talibãs atearam fogo em 200 caminhões-tanque carregados de combustível perto de Cabul, informaram neste sábado as autoridades afegãs.

Os caminhões-tanque foram incendiados na noite de sexta-feira e ainda estavam em chamas na manhã deste sábado em um estacionamento do distrito de Paghman, a oeste de Cabul, sem que até o momento tenha sido possível estabelecer um balanço.

Segundo Gul Agha Hashimi, chefe da polícia judicial de Cabul, "não foi um ataque suicida, o incêndio se deveu a uma bomba magnética".

Em um comunicado enviado por e-mail, os talibãs reivindicaram o ataque através de seu porta-voz, Zabihula Mujahid.

"Nossos valentes combatentes, com a ajuda de uma tática especial, atearam fogo em centenas de caminhões-tanque no oeste de Cabul, que fornecem gasolina e suprimentos às forças estrangeiras", afirmam na nota.

A Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) não confirmou se o combustível estava destinado à Otan.

O ministério do Interior afegão afirmou que será feita uma investigação minuciosa sobre o ataque e que, segundo dados preliminares, 200 caminhões foram queimados.

Por outro lado, na sexta-feira foi registrado um ataque com foguete contra a base aérea americana de Bagram, que provocou "danos de pequena importância no material militar e no edifício", informou a Isaf.

Este tipo de incidente preocupa a comunidade internacional, especialmente em um contexto de crise política em torno da designação de um novo presidente para suceder Hamid Karzai, o único que dirigiu o país desde a queda do regime fundamentalista dos talibãs, em 2001.

Teme-se, sobretudo, que as divergências entre os dois candidatos, Abdullah Abdullah e Ashraf Ghani, pelos resultados do segundo turno das presidenciais de 14 de junho favoreçam o ressurgimento da rebelião dos talibãs.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.