Navigation

Telescópio da Nasa dá mais credibilidade à busca por inteligência extraterrestre

A cientista Jill Tarter, do Instituto Seti afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. outubro 2019 - 20:17
(AFP)

Astrônomos dedicados à busca por inteligência extraterrestre (Seti) anunciaram uma nova colaboração com cientistas que trabalham em um telescópio da Nasa.

Então a caça alienígena finalmente ganhou seu lugar como disciplina científica?

Para descobrir, a AFP conversou com a cientista Jill Tarter, que dedicou sua vida à busca de sinais emanados de galáxias distantes e que inspirou o personagem interpretado por Jodie Foster no filme "Contato" (1997).

"Passamos muito tempo ao longo dos anos tentando nos distanciar da pseudociência e dos OVNIs", disse Tarter, de 75 anos, presidente emérita do Seti Research, do Instituto Seti na Califórnia, fundado em 1984 e financiada por magnatas do Vale do Silício, incluindo o falecido Paul Allen.

"Nós publicamos estudos, passamos pelas revisões por pares e construímos instrumentos interessantes. Hoje é muito mais crível do que era antes", continuou.

Sob um acordo anunciado na quarta-feira no Congresso Internacional de Astronáutica, os cientistas que trabalham no Satélite de Pesquisas de Exoplanetas em Trânsito (Tess, sigla em inglês) da Nasa se uniram ao Breakthrough Listen, uma pesquisa de inteligência extraterrestre fundada em 2015 pelo bilionário russo e pioneiro da Internet Yuri Milner.

- Escaneando os céus -

Dois avanços ajudaram esse campo a ultrapassar o domínio da ficção científica: o primeiro foi a descoberta, em 1995, do primeiro exoplaneta (planeta fora do nosso sistema estelar), que acabou de ser recompensada com o prêmio Nobel, e a posterior confirmação de mais de 4.000 outros exoplanetas.

O segundo foi a descoberta de extremófilos, organismos capazes de sobreviver em condições extremas de temperatura ou pressão.

"Se você sabe que existe esse imóvel potencialmente habitável por aí, como é possível não se perguntar se algum deles é habitado?", questionou Tarter.

Os astrônomos interessados no Seti usam telescópios, ópticos e de rádio, para escanear o céu em busca de sinais que indicariam formas de vida inteligentes.

Mas a verdade é que eles não sabem exatamente o que estão procurando.

"Não sabemos como encontrar inteligência. Não sabemos nem mesmo como defini-la muito bem", disse Tarter.

Em vez disso, os astrônomos procuram sinais de tecnologia, qualquer sinal não natural, que pode ter sido criado por vida inteligente.

Pode ser um sinal de TV ou rádio que chega até nós, assim como os sinais do nosso planeta são continuamente emitidos no espaço.

Ou os astrônomos podem conseguir distinguir, no traço luminoso de planetas distantes, variações que indicariam a presença de grandes estruturas orbitais, como estações espaciais.

- Caçada por alienígenas -

No futuro, a ideia seria analisar também a composição química de outros planetas para procurar sinais biológicos de vida - como na Terra, onde tudo, desde a flatulência bovina à fotossíntese, contribui para a mistura de nossa atmosfera.

"Talvez vejamos algum tipo de desequilíbrio químico que não podemos explicar de nenhuma outra maneira", disse Tarter, acrescentando que "isso requer grandes telescópios" - como o projeto Tess da Nasa.

A humanidade tem mais chances de encontrar vida em Marte na forma de micróbios ou alienígenas inteligentes em outra galáxia?

"Penso que um dos dois pode ser a mão vencedora", diz a astrônoma.

Tarter vem caçando alienígenas desde que era estudante de graduação, mas ela insiste que nunca foi desencorajada.

"Pessoas que fazem esse tipo de trabalho não levantam da cama de manhã dizendo: 'vou encontrar um sinal hoje', porque você provavelmente irá para a cama decepcionado", disse. "Mas eles saem da cama de manhã dizendo: eu vou descobrir uma maneira de fazer a pesquisa".

Mas mesmo se recebermos um sinal de outra civilização a 100.000 anos-luz de distância, que bem isso nos faria, já que não poderíamos visitá-la e levaria 100.000 anos para enviar uma mensagem de volta?

"Você lê Shakespeare, ou os gregos antigos, ou os romanos antigos? Aprendemos uma quantidade enorme de coisas com eles, mesmo que não possamos fazer-lhes perguntas", disse Tarter.

"Portanto, essas informações são propagadas no futuro. Acho que esse é um modelo muito bom para o que pode ser a comunicação com uma tecnologia distante".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.