Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imigrantes que foram pegos ultrapassando a fronteira ilegalmente são detidos no posto policial de McAllen, Texas, em 15 de julho de 2014

(afp_tickers)

O governador do Texas, Rick Perry, anunciou nesta segunda-feira que enviará mil homens da Guarda Nacional para aumentar a segurança na fronteira com o México diante da crise provocada pela chegada em massa de menores centro-americanos aos Estados Unidos no último mês.

"Diante da situação que o Texas está enfrentando e da falta de ação do governo federal (...) decidi enviar até mil soldados" da reserva da Guarda Nacional, disse Perry em entrevista coletiva.

O governador do Texas destacou que "não se pode falar em segurança nacional se não há segurança na fronteira".

O Texas recebeu a maior parte dos 57 mil menores que entraram ilegalmente nos Estados Unidos desde outubro passado, fugindo da violência e da pobreza em seus países. A partir de junho, a situação se agravou.

Perry destacou que os números oficiais representam "apenas os 20% que são detidos cruzando ilegalmente a fronteira".

O governador também assinalou que "enquanto as forças de segurança se veem superadas em seu trabalho de oferecer ajuda humanitária, cartéis das drogas, traficantes de pessoas e criminosos comuns usam esta estratégia para benefício" próprio.

O presidente Barack Obama solicitou ao Congresso recursos especiais de US$ 3,7 bilhões para tratar da crescente onda migratória.

Os recursos seriam destinados a aumentar o número de agentes e juízes na fronteira, assim como ampliar a capacidade de acolhida e expulsão dos imigrantes que entrarem ilegalmente nos Estados Unidos.

Obama receberá em 25 de julho, na Casa Branca, seus colegas de Guatemala, Honduras e El Salvador, para abordar a crise envolvendo os imigrantes ilegais.

Os presidentes discutirão "como reformar a colaboração em curso para deter o fluxo de migrantes ilegais", destacou a Casa Branca esta sexta-feira em um comunicado.

AFP