Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher tibetana e seu filho, em frente à montanha Karuola, em 24 de agosto de 2003

(afp_tickers)

Os tibetanos são capazes de viver em grandes altitudes, graças a um gene especial que herdaram de um ramo misterioso, atualmente extinto, da família humana, afirmaram cientistas em novo estudo publicado na edição desta semana da revista científica britânica Nature.

De acordo com os pesquisadores, os ancestrais dos tibetanos atuais adquiriram uma variedade-chave de um gene que regula o oxigênio no sangue, quando se miscigenaram com humanoides denisovanos.

Contemporâneos dos neandertais - e como eles, provavelmente extintos pelo homem moderno, o "Homo sapiens" - os denisovanos foram descobertos há apenas quatro anos.

Sua existência foi determinada através de um fragmento do osso de um dedo e dois molares escavados da Caverna de Denisova, nas montanhas Altai, sul da Sibéria, com 80 mil anos de antiguidade.

Por meio de sequenciamento genético, determinou-se que antes de os denisovanos terem desaparecido como um ramo separado de hominídeos, eles se miscigenaram com o "Homo sapiens", deixando traços que sobreviveram na piscina de DNA dos humanos modernos.

No estudo publicado esta semana, cientistas de China, Tibete e Estados Unidos compararam os genomas de 40 indivíduos de etnia tibetana e de 40 indivíduos de etnia chinesa Han.

Eles descobriram que, escondida no código genético dos tibetanos, encontra-se uma variedade incomum de um gene, denominado EPAS1, que regula a produção de hemoglobina, molécula que transporta oxigênio no sangue.

O EPAS1 é ativado quando os níveis de oxigênio no sangue caem, levando a uma produção maior de hemoglobina.

Em altitudes elevadas, variedades comuns do gene produzem quantidades maiores de hemoglobina e glóbulos vermelhos, fazendo o sangue ficar espesso, causando hipertensão, baixo peso ao nascer e mortalidade infantil.

Mas a variedade encontrada nos tibetanos tem uma ação mais moderada, consequentemente evitando os efeitos da hipóxia (baixo teor de oxigênio), sofridos por muitas pessoas que visitam locais acima dos 4.000 metros de altitude.

"Temos evidências muito claras de que esta versão do gene veio dos denisovanos", afirmou Rasmus Nielsen, professor de Biologia Integrativa da Universidade da Califórnia em Berkeley.

"Isso mostra muito clara e diretamente que os humanos evoluíram e se adaptaram a novos ambientes, adquirindo seus genes de outras espécies", acrescentou.

- Exceção tibetana -

A variedade do EPAS1 dos tibetanos é quase idêntica àquela encontrada em amostras de denisovanos.

Mas, além dos chineses Han, não há vestígios dela em outros grupos étnicos tocados pelo legado dos denisovanos, que incluem os melanésios, cujo genoma é 5% denisovano, a maior proporção já encontrada.

Segundo a hipótese levantada no estudo, grupos de "Homo sapiens" teriam deixado a África e se misturado com denisovanos em sua passagem pela Ásia Central, a caminho da China.

O grupo que colonizou a China teria, então, se dividido. Uma população teria migrado para o Tibete e a outra, ficado para trás para dominar as terras baixas, onde deram origem aos chineses Han da atualidade.

Como resultado da futura miscigenação com cada tribo, 87% dos tibetanos têm a variedade preciosa de EPAS1, em comparação com apenas 9% dos chineses Han, mesmo compartilhando um ancestral comum, prosseguiu o estudo.

Os cientistas acreditam que nosso baú dos tesouros genético ainda tem muitos outros segredos a revelar.

"A única razão pela qual podemos dizer que este fragmento de DNA é denisovano se deve a este feliz acidente de decodificar o DNA de um pequeno osso em uma caverna na Sibéria", escreveu Nielsen em um comunicado de imprensa, publicado pela universidade.

"(...) Quantas outras espécies existiriam que ainda não sequenciamos?", perguntou.

AFP