Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chineses observam a polícia proteger o tribunal em que o bilionário do setor de mineração Liu Han é julgado, em Xianning, em 31 de março de 2014.

(afp_tickers)

Um tribunal de apelação chinês ratificou nesta quinta-feira a condenação à morte de um bilionário do setor de mineração, acusado de vínculos com um grupo mafioso próximo ao ex-chefe de segurança do regime comunista, hoje caído em desgraça.

Liu Han e seu irmão Liu Wei haviam recorrido da sentença divulgada em maio por um tribunal da província de Hubei (centro).

Ambos haviam sido declarados culpados de organizar e dirigir um grupo de tipo mafioso, de assassinatos e outros crimes.

Um tribunal indicou nesta quinta-feira em uma rede social que a apelação foi rejeitada, diante da extrema gravidade dos crimes cometidos.

Liu Han estava na liderança do Hanlong, um vasto conglomerado privado com interesses em setores variados, como a mineração e o turismo.

O grupo dos irmãos Liu foi acusado do assassinato de oito pessoas. Agia principalmente na província de Sichuan (sudoeste), reduto de Zhou Yongkang, chefe de segurança do regime de 2002 a 2012.

Zhou, que também era membro da poderosa comissão permanente do 'Bureau' Político do Partido Comunista Chinês, foi acusado no mês passado de graves casos de corrupção.

É a personalidade de maior patente caída em desgraça na China desde o fim da Revolução Cultural, em 1976.

AFP