Navigation

Tripulação de barcos pode ser origem de novos casos de coronavírus em Hong Kong

Barco atracado em terminal de carga em Hong Kong, em 18 de julho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. julho 2020 - 12:26
(AFP)

A nova onda de coronavírus que atinge Hong Kong há algumas semanas pode ser devido à decisão das autoridades de permitir que as tripulações da marinha mercante mudem de barco na cidade sem respeitar a quarentena, disse um especialista em saúde na sexta-feira.

O número de casos aumentou desde o início do mês na região semiautônoma do sul da China, que até agora havia conseguido controlar a epidemia e quebrar as cadeias de transmissão locais.

A ex-colônia britânica anunciou 123 novas infecções em 24 horas na sexta-feira, elevando o número total de casos desde o início da pandemia para 2.372, e registrando um total de 16 mortes.

Mil infecções foram confirmadas nas últimas duas semanas, ou seja, 40% do total registrado desde a chegada da epidemia em janeiro.

Alguns especialistas atribuíram esse recente aumento nas infecções às isenções concedidas pelas autoridades locais a "profissionais essenciais", como motoristas de rodovias que cruzam a fronteira, a tripulações e navios comerciais que não precisam ficar em quarentena por 14 dias.

O governo local apresentou essas exceções como necessárias para o bom funcionamento do território.

Após analisar as amostras obtidas dos últimos casos confirmados, o reitor da Faculdade de Medicina da Universidade de Hong Kong, Gabriel Leung, estimou que o ressurgimento do vírus provavelmente veio desse tipo de casos importados.

"Poderia vir de tripulações e marítimos isentos de quarentena", disse. "Quando eles entram em Hong Kong, não estão sujeitos a quarentena ou testes. Imagina-se que eles vão para hotéis no centro", explicou.

Hong Kong é um dos portos de contêineres mais movimentados do mundo.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.