Navigation

Trump continua comprometido a tirar Maduro do poder, diz Pompeo

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, chega à Costa Rica, em 21 de janeiro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. janeiro 2020 - 20:16
(AFP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, "continua firmemente comprometido" em tirar do poder o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira o secretário de Estado, Mike Pompeo.

O chefe da diplomacia dos EUA declarou que o governo Trump, que considera a reeleição de Maduro em maio de 2018 fraudulenta, "de maneira alguma" abandonou seus esforços para retirar o presidente venezuelano de uma posição que Washington afirma ser ilegal.

"Estamos trabalhando para restaurar a democracia na Venezuela", disse Pompeo ao WFLA Orlando.

"O presidente Trump continua firmemente comprometido com isso", acrescentou. "Maduro destruiu esse país".

Os Estados Unidos apoiam a luta do líder opositor venezuelano Juan Guaidó, a quem ele reconhece como presidente interino da Venezuela.

Pompeo foi consultado sobre o assunto nesta quinta-feira, ano em que, na qualidade de chefe parlamentar, Guaidó invocou a Constituição e se declarou presidente encarregado de liderar um governo de transição e organizar novas eleições.

Guaidó é reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, mas "o ditador" Maduro ainda está no poder, disse o jornalista Bud Hedinger, do programa Good Morning Orlando.

"Os Estados Unidos desistiram de tentar tirar Maduro?", perguntou Hedinger a Pompeo.

"De jeito nenhum", respondeu o secretário de Estado, que disse ter o "privilégio" de conhecer Guaidó na segunda-feira na Colômbia.

Guaidó "está trabalhando para levar à frente o que o povo venezuelano exige. Eles apenas querem liberdade e democracia".

Pompeo, que concluiu na quarta-feira uma viagem pela América Latina e o Caribe, durante a qual a situação na Venezuela esteve muito presente nas reuniões oficiais, se encontrou em Miami com exilados venezuelanos que se opõem a Maduro.

"Falamos sobre a ameaça à segurança representada pelo regime de Maduro para os Estados Unidos", disse à AFP Gustavo Garagorry, presidente do Varc (Clube Republicano Americano da Venezuela).

Também na Flórida, o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, disse que o governo de seu país continua a "exercer muita pressão sobre o regime [de Maduro], econômica e diplomaticamente".

"Estaríamos preparados para apoiar o povo e o novo governo da Venezuela com assistência humanitária após o regime de Maduro", disse Esper em uma reunião com jornalistas na sede do Comando Sul dos EUA em Miami.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.