Navigation

Tufão deixa 13 mortos nas Filipinas

Funcionário municipal retira uma criança de casa, em Manila, por causa do tufão afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. julho 2014 - 23:03
(AFP)

O primeiro tufão da temporada de chuvas nas Filipinas deixou pelo menos 13 mortos, obrigou a fuga de milhares de pessoas em todo o país e paralisou a capital, Manila.

Com ventos de até 200 km/h, o tufão Rammasun arrancou telhados e árvores e provocou 13 mortes em todo o país.

O Rammasun, que em tailandês quer dizer "Deus do Trono", entrou na terça-feira à noite pelo Oceano Pacífico con ventos de 250 quilômetros e devastou pequenos vilarejos pesqueiros no leste das Filipinas. Depois perdeu um pouco de força e cruzou a ilha principal do arquipélago, Luzon.

O centro do tufão não passou por Manila, cidade de 12 milhões de habitantes, mas capital permanecia paralisada, como muitas áreas sem energia elétrica, incluindo o bairro de negócios Makati.

Os ventos também provocaram destruição em bairros pobres perto da baía de Manila, onde milhares de pessoas vivem em condições precárias.

Quase 350.000 pessoas em todo o país foram obrigadas a deixar suas casas e seguir para centros de abrigo, segundo o governo.

A cada ano, 20 tempestades em médias afetam as Filipinas, um arquipélago do sudeste asiático que é o ponto de entrada das tempestades que se formam nas águas quentes do Pacífico.

Em novembro de 2013, o supertufão Haiyan devastou as ilhas filipinas de Samar e Leyte e matou 7.300 pessoas, em um dos maiores desastres naturais da história do país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.