Navigation

Uruguai encerra campanha para eleição presidencial de domingo

O candidato presidencial do Uruguai ao partido Frente Amplio, Daniel Martínez, encerra sua campanha, em Montevidéu afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. outubro 2019 - 13:06
(AFP)

Os partidos políticos uruguaios encerraram nesta quarta-feira suas campanhas para as eleições presidenciais de domingo, nas quais a esquerda no poder tenta um quarto mandato consecutivo.

Liderando as pesquisas está o ex-prefeito de Montevidéu e candidato governista Daniel Martínez, 62 anos, que em um comício diante do Rio da Prata afirmou que o "sonho de um novo governo da Frente Ampla é possível".

A coalizão de esquerda, que governa o Uruguai desde 2005, tem 40% das intenções de voto, e Martínez certamente estará no segundo turno, previsto para novembro.

Em outro comício nesta quarta-feira, o segundo colocado nas pesquisas (28%), Luis Lacalle Pou, um senador que renunciou para se dedicar à campanha como candidato do Partido Nacional (centro direita), defendeu um processo eleitoral limpo que chega à reta final "sem falar (mal) do concorrente".

Lacalle Pou, que deverá buscar apoio entre os demais partidos opositores caso chegue ao segundo turno, declarou ter uma "boa relação política e pessoal" com os demais candidatos da oposição.

"Os uruguaios não nos perdoarão se não chegarmos a um acordo" porque há "uma onda de alternância (instalada) no povo".

Lacalle Pou, 46 anos, deverá buscar nos demais candidatos, como o economista Ernesto Talvi, do Partido Colorado (liberal), e o ex-comandante do Exército Guido Manini Ríos, do Partido Cabildo Abierto, o apoio necessário para vencer no segundo turno.

No total, 2,6 milhões de eleitores estão habilitados para votar no domingo no Uruguai, onde o voto é obrigatório.

Além de eleger o presidente, os uruguaios se pronunciarão sobre a proposta de reforma constitucional que pretende aumentar as penas de prisão para crimes graves, incluindo a adoção da "prisão perpétua" para crimes gravíssimos, a criação de uma guarda policial com efetivos militares, a permissão para batidas noturnas com autorização judicial e o cumprimento efetivo das condenações.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.