Navigation

Vacina BioNTech/Pfizer parece eficaz contra variante britânica, segundo estudos preliminares

Estudo e análise de amostras positivas para covid-19 para a variante britânica, em 15 de janeiro de 2021 em Aalborg, Dinamarca afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. janeiro 2021 - 15:35
(AFP)

A vacina da BioNTech/Pfizer parece ser eficaz contra a variante britânica do vírus responsável pela covid-19, que preocupa a comunidade internacional por sua maior transmissibilidade - apontam os resultados preliminares de dois estudos publicados on-line nesta quarta-feira (20).

"Nossos resultados sugerem que a maioria das respostas vacinais deve ser eficaz contra a variante B.1.1.7", estima uma equipe internacional de pesquisadores de universidades britânicas e holandesas, em um dos dois estudos ainda não avaliado por outros cientistas.

Para avaliar a eficácia da vacina, os pesquisadores confrontaram em laboratório a variante inglesa com o plasma de 36 pacientes curados após sofrerem de formas graves, ou mais leves, da covid-19.

A "maioria das amostras" conseguiu "neutralizar" a variante, embora o "poder" de neutralização tenha sido reduzido em três delas.

Em um estudo preliminar separado, uma equipe de pesquisadores da BioNTech/Pfizer chegou a conclusões semelhantes, comparando o efeito do plasma de 16 participantes em seus ensaios clínicos sobre a variante inglesa e o vírus original de Wuhan.

Eles concluem uma capacidade de neutralização "equivalente" para os dois e consideram, portanto, "improvável" que a variante inglesa "escape da proteção" de sua vacina.

Ressaltam ainda que a "flexibilidade" da tecnologia dessa vacina baseada em RNA mensageiro permite que a vacina seja adaptada a uma nova cepa do vírus, caso necessário.

Em um estudo publicado on-line no início de janeiro, pesquisadores da BioNTech/Pfizer já haviam estimado que a vacina parecia eficaz contra uma "mutação-chave" comum às variantes britânica, sul-africana e brasileira.

Essa mutação denominada N501Y está localizada ao nível da proteína Spike (espícula) do coronavírus, a ponta que fica em sua superfície e permite que ele se fixe nas células humanas para penetrá-las. Desempenha, assim, um papel fundamental na infecção viral.

Em relação à eficácia das vacinas, os especialistas estão especialmente preocupados com outra mutação, chamada E484K, que as variantes sul-africana e brasileira carregam, mas não a inglesa.

Neste contexto, é "importante continuar a monitorar as variantes e avaliar in vitro seu impacto na neutralização" do vírus, sublinham os pesquisadores do primeiro estudo.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?