Navigation

Vaticano pede trégua e minuto de silêncio pela paz na final da Copa

A Copa do Mundo está sendo disputado no Brasil, maior país católico, no continente com mais fiéis. E o novo papa argentino Francisco é particularmente popular na região. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 16:51
(AFP)

O Conselho Pontifício da Cultura lançou nesta sexta-feira uma campanha em favor de uma trégua e ao menos um minuto de silêncio em solidariedade com as vítimas dos conflitos em todo o mundo, coincidindo com a final no domingo da Copa do Mundo 2014.

Esta campanha foi lançada no Twitter com a hashtag (Uma pausa pela paz) para a final que será disputada entre as seleções da Alemanha e Argentina no Maracanã e que será assistida por milhões de telespectadores.

"Os aderentes pedem um minuto de silêncio para recordar as pessoas afetadas pelas guerras e conflitos em todo o mundo. Alguns desejam um minuto de silêncio durante a partido. Todos desejam o fim do derramamento de sangue em muitas regiões", afirma um comunicado.

Monsenhor Melchor Sánchez de Toca y Alameda, subsecretário do Conselho Pontifício da Cultura, lembrou que "os esportes nasceram em torno de festividades religiosas: os eventos esportivos eram momentos de paz durante os quais as guerras cessavam, como durante a trégua olímpica".

"Por que não fazer o mesmo durante a Copa do Mundo? Por que não fazer uma pausa, um minuto de silêncio, uma trégua pela paz", ressaltou.

A Copa do Mundo está sendo disputado no Brasil, maior país católico, no continente com mais fiéis. E o novo papa argentino Francisco é particularmente popular na região.

O papa e o Vaticano multiplicaram nos últimos meses os pedidos por orações e iniciativas em favor da paz, sem, contudo, atingir resultados tangíveis, seja na Síria, em Israel e nos Territórios palestinos, na Ucrânia ou na África.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.