Navigation

Veículo 100% elétrico para explorar Polo Norte e Antártica

O príncipe Albert II de Mônaco (D) e Gildo Pastor, presidente da Venturi Automobiles, junto ao veículo que explorará Polo Norte e Antártica, 100% elétrico, em Mônaco, em 30 de novembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. dezembro 2018 - 14:45
(AFP)

"Antarctica", o protótipo de um veículo 100% elétrico idealizado para as missões de exploração dos polos Ártico e Antártico, foi apresentado em Mônaco na sexta-feira (30).

Este veículo anfíbio da empresa monegasca Venturi Automobiles deve começar a funcionar em março de 2019 no Grande Norte canadense, na região de Telegraph Creek, onde serão realizados os primeiros testes técnicos.

"Quando visitei 20 estações de pesquisa científicas em 2009 na Antártica, me dei conta de que não contavam com veículos limpos para se deslocar, transportar materiais e, inclusive, para percorrer pequenas distâncias. Ninguém havia pensado nisso", explicou na sexta-feira à AFP o príncipe Albert II.

"É um mercado muito concreto, mas se chegarmos a fabricar veículos elétricos utilitários, sólidos, que resistam ao frio extremo, isso pode ter um uso interessante, até mesmo militar", acrescentou o príncipe Albert, que criou em 2006 a fundação que leva seu nome em defesa do meio ambiente e contra a mudança climática.

"Encontramos soluções inovadoras e estamos registrando patentes", assegurou Gildo Pastor, referindo-se à resistência das baterias do Antarctica, que podem funcionar em temperaturas abaixo dos -50°C.

Este veículo elétrico terá uma autonomia de 45 quilômetros e poderá circular a 20 km/h.

"As baterias do Antarctica poderão ser recarregadas de maneira limpa e por meio de energia eólica e solar, como, por exemplo, na estação de pesquisa belga Princesse Elizabeth na Antártica", explicou Bernard Fautrier, vice-presidente da Fundação FPA2.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.