Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro (D) e o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, durante evento em Caracas em 15 de março

(afp_tickers)

A Venezuela tem o apoio do governo e de empresários brasileiros para minimizar o impacto da escassez de alimentos e remédios no país - afirmou o presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Diosdado Cabello, em visita a São Paulo, nesta quarta-feira.

"Encontramos uma total e absoluta disposição. Estamos certos de que, com o apoio dos empresários e do governo brasileiro, poderemos suportar a situação na Venezuela e derrotar este setor que tem estado empenhado em causar danos ao nosso povo", disse Cabello à imprensa venezuelana.

O número dois do chavismo lidera uma delegação oficial que está se reunindo com autoridades e empresários brasileiros, visando a obter acordos para o fornecimento de remédios e alimentos.

"O objetivo é buscar convênios, aproximações, acordos que nos permitam, na Venezuela, dispor de muitos produtos que, aqui no Brasil, são de empresas brasileiras e que é um mercado direto conosco. Tendo o Brasil tão perto, não precisamos buscar tão longe e, nesse caso, há toda a disposição das empresas e do governo brasileiro de continuar nos apoiando", garantiu.

Segundo o congressista, isso inclui alimentos - tema sobre o qual já houve "algumas reuniões" -, medicamentos e insumos médicos para os hospitais.

Estima-se que a Venezuela esteja sofrendo, atualmente, a escassez de dois terços dos produtos básicos, em meio a uma inflação que bateu os 70% em 2014.

Caracas atribui o problema de abastecimento a uma "guerra econômica" de grupos da oposição para desestabilizar o governo do presidente Nicolás Maduro.

Nesta quarta, Cabello se reuniu em São Paulo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo ele, ambos conversaram sobre a situação política na Venezuela.

"Lula nos deu algumas recomendações muito importantes que vamos levar para o companheiro presidente Nicolás Maduro", comentou Cabello.

AFP