Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

El secretario general de la OEA, Luis Almagro, culminó el viernes una visita de tres días a Colombia para atender la ola migratoria de venezolanos

(afp_tickers)

Caracas denunciará o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, ante as Nações Unidas "por promover intervenção militar" na Venezuela, depois de afirmar na sexta-feira, na Colômbia, que essa opção não está descartada.

A informação foi dada pela vice-presidente Delcy Rodríguez no Twitter.

Almagro declarou na sexta-feira que não se deve descartar "uma intervenção militar" na Venezuela para "derrubar" o governo de Nicolás Maduro, a quem responsabiliza pela crise humanitária e migratória dos venezuelanos.

"Sobre a intervenção militar para derrubar o regime de Nicolás Maduro, acredito que não devemos descartar qualquer opção", disse Almagro em entrevista coletiva na cidade colombiana de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela.

"Almagro pretende ressuscitar os piores casos de intervenção militar imperialista em nossa região, cuja estabilidade está seriamente ameaçada pelo comportamento insano da pessoa que se desvia e abusa da secretaria-geral da OEA", assinalou Rodríguez.

Almagro, acusado de "ingerencista" por Maduro, justificou sua declaração diante das "violações dos direitos humanos e dos crimes contra a humanidade" cometidos pelo governo venezuelano contra seu povo.

"O sofrimento do povo, o êxodo induzido que está promovendo torna as ações diplomáticas prioritárias, mas não devemos descartar qualquer opção", afirmou ainda.

"Temos que recuperar a democracia na #Venezuela para que todos os imigrantes venezuelanos possam voltar ao seu país e também recuperem sua liberdade e bem-estar", concluiu Almagro no Twitter de Cúcuta.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP