Navigation

Vizcarra diz que Peru está na 'etapa final' da pandemia de covid-19

Trabalhadores de saúde da cidade andina peruana de Puno fazem manifestação com fotos de colegas falecidos com a covid-19 em frente ao colégio médico local, em 28 de agosto de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. agosto 2020 - 22:34
(AFP)

O presidente peruano, Martín Vizcarra, afirmou neste domingo (30) que a pandemia de covid-19 está na "etapa final" no país, que tem a maior taxa de mortalidade pelo novo coronavírus no mundo, após uma redução de contágios e óbitos na última semana.

"Estou certo de que estamos na etapa final, que pouco a pouco este tema vai ser controlado, estamos fazendo o máximo esforço como Governo", disse Vizcarra durante visita ao recém-inaugurado hospital de campanha de Tumbes, na fronteira com o Equador.

Também neste domingo, autoridades sanitárias de Cusco (a cerca de 1.100 km de Lima) informaram a morte do prefeito da cidade, Ricardo Valderrama, de 75 anos, por covid-19. Valderrama, no cargo desde dezembro, era diabético e estava internado há um mês no Hospital Adolfo Guevara, de Cusco.

As afirmações de Vizcarra chamaram atenção poque o Peru, com 33 milhões de habitantes, ainda registra altas taxas de contágios, com mais de 6.000 casos diários em média.

No entanto, os contágios e óbitos diários começaram a cair esta semana (-24% e -21% respectivamente, em relação à semana passada), segundo dados oficiais, depois de ter estado em alta sustentada desde 11 de julho.

Na quarta-feira foram registrados 150 óbitos por coronavírus no país, a cifra diária mais baixa desde 8 de junho.

Vizcarra anunciou, ainda, uma campanha de comunicação para fomentar o cumprimento das restrições à circulação para evitar a propagação do vírus, como a proibição de ir a reuniões sociais ou familiares.

A campanha é lançada em um momento em que o Peru, apesar de uma quarentena de mais de cem dias, aparecer no topo do ranking global de mortalidade pelo novo coronavírus, com 86 mortes por 100.000 habitantes, depois de desbancar nesta semana a Bélgica (85,5/100.000).

Com 645.457 casos confirmados e 28.788 mortos, o Peru é o terceiro país da América Latina em número de falecidos na pandemia, depois do Brasil e do México, e o segundo em contágios atrás do Brasil.

"Estamos começando uma nova campanha que diz 'A covid-19 não mata sozinha, não sejamos cúmplices', dirigida principalmente às pessoas irresponsáveis (...) em discotecas, festas de aniversário, (que) jogam futebol e organizam churrascos", disse Vizcarra à imprensa.

Treze pessoas morreram na semana passada durante um tumulto em uma discoteca de Lima, provocada quando a polícia invadiu o local para impedir uma festa proibida.

As autoridades sanitárias apontaram as festas e reuniões sociais como um foco principal de contágio da covid-19.

No âmbito da luta contra a pandemia, o governo prorrogou até 7 de dezembro o estado de emergência no país, manteve o fechamento de fronteiras e o toque de recolher noturno, em vigor desde 16 de março.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.