Navigation

"Extremistas de direita" suíços estão armados e visíveis

O jornal suíço SonntagsBlick publicou um relatório mostrando até que ponto "extremistas de direita" estão se exibindo publicamente na Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 28. março 2019 - 13:30
Keystone

O semanário publicou fotografias de xenófobos expondo suas opiniões e identidades nas redes sociais. Suas tatuagens deixam pouco espaço para dúvidas sobre suas inclinações políticas. Nem os símbolos, bandeiras ou slogans que eles usam.

Um membro do partido nacionalista suíço de extrema-direita PNOS (Partei National Orientierter Schweizer) até celebrou o ataque da supremacia branca contra muçulmanos em Christchurch, na Nova Zelândia, que matou 50 pessoas e feriu dezenas, segundo o relatório.

Os indivíduos de extrema-direita na Suíça, segundo o jornal, estão armados e prontos para usar a violência. Mas, ao contrário dos islamistas, eles não estão no radar das autoridades.

Os serviços de inteligência da Suíça não podem tomar medidas estritas de vigilância contra os neonazistas tatuados com suásticas e posando com armas, porque esses indivíduos são classificados como extremistas violentos e não como terroristas.

Por exemplo, um islamista que se mostra armado, exaltando as façanhas do grupo do Estado Islâmico nas redes sociais, pode ser intimado, ou investigado pela polícia, já que suas ações são classificadas como terroristas, observou o jornal.

Por outro lado, um neonazista posando com uma metralhadora e elogiando Anders Breivik, o homem que cometeu os ataques da Noruega em 2011, não pode ser monitorado da mesma forma.

Apontando para o recente massacre de Christchurch, o SonntagsBlick considera um "erro fatal" que "um extremista de direita não seja considerado um terrorista" aos olhos do governo suíço.

"É de se temer que, mesmo na Suíça, um ativista de direita ativo na Internet um dia troque seu teclado por um fuzil de assalto", escreve o jornal.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.