Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Banco Central da Suíça Quem ganha e quem perde com os juros negativos

A luta contra as pressões para valorização do franco suíço em relação ao euro encontra-se no centro da estratégia monetária do Banco Central da Suíça (BNS). 

(© Keystone / Ti-press / Alessandro Crinari)

Introduzidas há cinco anos pelo Banco Central da Suíça (SNB), as taxas de juros negativas têm repercussões econômicas e sociais cada vez mais importantes. Apesar das críticas, o banco central não deseja renunciar a essa medida, considerada essencial para neutralizar uma apreciação excessiva do franco.

Por que o SNB introduziu taxas de juros negativas?

Aqui termina o infobox

Após a crise financeira internacional que eclodiu em 2008, vários bancos centrais adotaram uma série sem precedentes de medidas para manter o setor bancário e evitar o risco de uma depressão econômica. Entre essas medidas, houve cortes históricos nas taxas de juros: nos Estados Unidos e na área do euro, eles caíram para quase zero alguns anos atrás. Como o franco assume regularmente um papel de refúgio em tempos de crise, o SNB foi forçado a ficar ainda abaixo de zero. Há cinco anos, o banco central suíço reduziu sua principal taxa de referência para -0,75%, a fim de evitar uma maior valorização do franco em comparação com outras principais moedas, em particular o euro.

Qual é o objetivo das taxas de juros negativas?

Aqui termina o infobox

As taxas de juros baixas ou mesmo negativas devem, antes de tudo, pressionar os bancos e outros investidores a investir capital disponível na economia, em vez de "estacioná-lo" nos bancos centrais. Aqueles que querem lucrar são forçados a investir em outro lugar. Ao mesmo tempo, quando o custo do dinheiro é baixo, as empresas podem emprestar mais facilmente dos bancos para financiar novos projetos. No caso do SNB, as taxas negativas têm como objetivo principal tornar o franco menos atraente, desencorajando o investimento estrangeiro em moeda suíça. A instituição emissora também fez uso contínuo de suas reservas cambiais, no valor de 800 bilhões de francos, para intervir no mercado de câmbio e impedir um fortalecimento excessivo de sua moeda.

Quem se beneficia dessa medida?

Aqui termina o infobox

As empresas. Dado que contribuem para limitar o valor do franco suíço dentro de certos limites, as taxas de juros negativas são principalmente benéficas para a indústria de exportação e o setor de turismo. As empresas que exportam seus produtos não são penalizadas indevidamente pelo franco forte em comparação com concorrentes de outros países. Considerando que a Suíça ganha praticamente 50% de suas receitas no exterior, um bom desempenho de exportação tem efeitos positivos para toda a economia. Mesmo as empresas que atuam apenas no mercado suíço se beneficiam de baixas taxas de juros para obter empréstimos baratos e desenvolver novas atividades de produção. 

O Estado. Com uma dívida total de quase CHF 200 bilhões, a Confederação, cantões e comunas lucraram extensivamente com o baixo custo do dinheiro. As baixas taxas de juros ajudaram a Confederação, por exemplo, a obter superávits bilionários na última década, que foram usados ​​para reduzir a dívida. A dívida do Estado caiu mais de 120 bilhões de francos em 2008 para 96 ​​bilhões de francos em 2019. Contribuintes, pessoas físicas e jurídicas também se beneficiaram um pouco da tendência positiva nas finanças públicas, através de cortes de impostos ou aumentos menores.

(3)

Proprietários de imóveis. Entre os beneficiários da provisão do SNB estão os proprietários, uma vez que as taxas de hipoteca caíram para um nível sem precedentes por vários anos. Ao mesmo tempo, os preços de casas e apartamentos praticamente dobraram em muitas regiões da Suíça em uma década. A redução das taxas de hipoteca, por outro lado, não levou a uma queda significativa nos aluguéis.

E quem sai perdendo?

Aqui termina o infobox

Os bancos. As instituições bancárias tiveram que pagar cerca de CHF 2 bilhões em 2019 para pagar os juros negativos dos fundos que depositaram no SNB. Diante do estreitamento de suas margens de lucro, alguns bancos também começaram a impor taxas de juros negativas sobre os depósitos de seus clientes. Até agora, no entanto, essa prática diz respeito apenas a ativos que excedam CHF 100.000. Os bancos também compensaram as perdas multiplicando as taxas de gerenciamento de contas de clientes. 

Poupadores. Já há vários anos, as poupanças se valorizavam com taxas de juros pouco acima de zero. No início dos anos 90, qualquer pessoa que depositasse 10.000 francos em um banco recebia juros de até 500 francos por ano. Hoje ele tem que se contentar com algumas dezenas de francos, na melhor das hipóteses, e que muitas vezes acabam sendo descontados das taxas bancárias. No entanto, deve-se notar que a taxa de inflação também caiu para níveis muito baixos em comparação aos anos 90.

Fundos de pensão. Até cerca de dez anos atrás, os fundos de pensão podiam pagar juros altos aos seus segurados, contribuindo significativamente para aumentar seus ativos de aposentadoria. Hoje não é mais o caso. Forçados a depositar pelo menos parte de seus fundos em investimentos seguros, como títulos, fundos de pensão agora têm renda muito menor, apenas parcialmente compensada por investimentos em ações e imóveis. Os bancos também começaram a aplicar taxas negativas sobre os montantes depositados pelos fundos de pensão. O seguro de velhice e invalidez (AHV/AVS) também enfrenta problemas semelhantes, embora em menor grau.

Quanto tempo deverá durar essa fase de juros negativos?

Aqui termina o infobox

Ainda não há alternativas para o SNB. A instituição emissora é forçada a se adaptar à política monetária seguida pelos demais bancos centrais, começando pela europeia. A situação na área do euro ainda permanece um tanto frágil e incerta. Vários grandes bancos centrais facilitaram sua política monetária no outono passado, sinalizando que provavelmente deixarão suas principais taxas de juros em um nível baixo por um período prolongado.

Nos últimos anos, o SNB tem sofrido duras críticas em relação às taxas de juros negativas. Os sindicatos pedem à instituição emissora que use parte dos lucros a favor do AHV e dos fundos de pensão, penalizados pela estratégia de taxas negativas. O presidente do SNB, Thomas Jordan, lembrou que o trabalho do banco central não é conduzir uma política social, mas buscar o interesse geral do país. Nos últimos anos, a economia suíça experimentou um nível moderado de crescimento em comparação com muitos outros países europeus, e o desemprego caiu para 2,3% no final de 2019.


swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.