Navigation

Bancos suíços anunciam grandes lucros semestrais

Os dois concorrentes frente a frente na Paradeplatz de Zurique. Keystone

O lucro líquido do UBS, maior banco suíço, cresceu 60% no primeiro semestre, totalizando 4,4 bilhões de francos. O CSG (n° 2) anunciou lucros de 3,3 bilhões no mesmo período.

Este conteúdo foi publicado em 10. agosto 2004 - 11:43

Mesmo assim, os resultados do segundo trimestre foram piores que o do primeiro trimestre deste ano.

De abril a junho, o lucro líquido do União de Bancos Suíços (UBS) cresceu de 28%, chegando a quase 2 bilhões de francos suíços. No entanto, esse crescimento é inferior de 19% ao primeiro trimestre deste ano.

Mesmo assim, o primeiro semestre do maior banco suíço foi o melhor dos últimos cinco anos.

Por outro lado, o Grupo Crédito Suíço (CSG), segundo maior banco suíço, teve um lucro líquido semestral de 3,3 bilhões de francos suíços. No mesmo período do ano passado, o CSG tivera prejuízo de 277 milhões.

Em parte devido o Credit Suise First Boston, o lucro do segundo trimestre foi inferior de 22% (1,46 bilhão) ao do primeiro, em 2004.

Alta dos custos no UBS

«O que surpreende é que os custos aumentaram mais rapidamente no UBS do que no DSG", afirma Andy Penman, analista na Bolsa de Londres.

Ce qui est surprenant c’est que les coûts ont augmenté un peu plus rapidement que prévu du côté de l’UBS. Ce problème n’apparaît pas au Credit Suisse», souligne Andy Penman, analyste boursier à Londres.

Mais detalhadamente, o UBS cresceu 18% (quase 20 bilhões) e os custos subiram 8,8% (14 bilhões). "No importante setor do 'private banking', o CSG teve um desempenho melhor do que UBS, o que é uma surpresa", explica o analista.

No entanto, o UBS continua sendo líder mundial na gestão de fortunas.

Segundo semestre mais fraco

Globalmente, houve menos investimento em ações no primeiro semestre. Também foi um período de juros em alta e de pouca volatilidade, o que desviou a atividade dos mercados de renda fixa.

O patrão do UBS, Peter Wuffli sublinhou que "depois de terem inicado o ano a todo vapor, os mercados adotaram um rítmo mais normal". Citado no comunicado oficial, ele afirma que "mesmo assim, o segundo trimestre foi positivo".

Quanto às perspectivas para o segundo semestre, o banco é mais prudente. As "excelentes condições do primeiro trimestre" proporcionaram ganhos excepcionais mas esse contexto "não pode durar", afirma o UBS.

Os lucros de julho a dezembro deverão, portanto, ser menores. Apesar dessas perspectivas, o analista Andy Penman apostaria no grande banco. Se tivesse que escolher entre o UBS e o CSG, ele escolheria o primeiro.

"Mesmo com as ações mais caras, acho que meu dinheiro estaria mais seguro", afirma o analista da Bolsa de Londres.

swissinfo com agências

Fatos

Lucro do UBS no 2° trimestre: 1,974 bilhão, 19% menos do que no 1° trimestre.
Lucro do CSG no 2° trimestre: 1,460 bilhão, 22% menos do que no 1° trimestre.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?