Navigation

Skiplink navigation

Aplicativos de rastreamento de contatos funcionam contra a pandemia?

Além das medidas de higiene preventiva, os aplicativos de rastreamento digital são considerados uma ferramenta importante na luta para conter a propagação da Covid-19 Keystone / Laurent Gillieron

Com a chegada da segunda onda da Covid-19, autoridades suíças e internacionais estão insistindo na necessidade de rastreamento digital para retardar a propagação do vírus. Será que isso realmente funciona?

Este conteúdo foi publicado em 21. outubro 2020 - 10:42
Sara Ibrahim

Desde o início de outubro houve um aumento vertiginoso das infecções por coronavírus na Suíça, com novos casos ultrapassando a marca de 3.000 por dia.

Neste contexto, as autoridades federais insistem para que o público baixe o aplicativo de rastreamento de contatos SwissCovid - um sistema que tem suscitado preocupação e críticas, como aplicações similares no resto da Europa.

Até agora, o SwissCovid foi baixado por cerca de 2,5 milhões de pessoas - ainda muito abaixo de 60% da população, o número considerado essencial por alguns especialistas para garantir a eficácia do rastreamento de contatos.

"Temos provas de que o aplicativo funciona", diz Sang-il Kim, chefe da divisão de transformação digital do Departamento Federal de Saúde Pública. Ele explica que desde junho mais de 100 pessoas que testaram positivo o fizeram após receberem um aviso do aplicativo.

Além disso, o SwissCovid viu recentemente uma duplicação de notificações seguidas de chamadas para linhas telefônicas dedicadas. "De nossos indicadores sabemos que [há duas semanas] cerca de 300 pessoas foram alertadas pelo aplicativo, enquanto [na semana passada] o número subiu para mais de 600 pessoas. O crescimento do vírus é exponencial e a situação está se tornando dramática", adverte Kim, acrescentando que uma nova campanha ajudará a aumentar a conscientização sobre a importância de usar esta ferramenta de rastreamento.

Novo aplicativo

Enquanto isso, o Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Lausanne (EPFL) está trabalhando em um aplicativo que usa um código QR para rastrear pessoas em lugares como restaurantes, bares e festas particulares. Ele enviaria notificações individuais a qualquer um que fosse exposto a uma pessoa infectada.

Como o SwissCovid, este sistema, chamado CrowdNotifier, é baseado em um protocolo descentralizado e que protege a privacidade, mas o objetivo é usar o código QR para enviar notificações anônimas para todos que estiveram na presença de uma pessoa infectada, e não apenas para aqueles que passaram pelo menos 15 minutos dentro de um metro e meio de distância.

"Com este aplicativo queremos propor um protocolo criptográfico que permita uma comunicação extremamente eficaz com as autoridades públicas e todos os presentes em um determinado evento, garantindo ao mesmo tempo que a privacidade seja respeitada", disse Edouard Bugnion, vice-presidente de sistemas de informação da EPFL e membro da força-tarefa Covid-19 do governo, à swissinfo.ch.

Uma solução que, juntamente com o aplicativo de rastreamento, visa impulsionar as estratégias de contenção de vírus. "Mas a combinação de diferentes medidas continua sendo o coquetel que dá os melhores resultados", acrescenta ele.

Acompanhando os vizinhos

Sem uma fórmula mágica contra o vírus, as autoridades na Suíça e no exterior insistem na combinação de barreiras, rastreamento de contato e quarentena para conter a propagação.

Em meados de outubro, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou que o aplicativo francês StopCovid não estava funcionando e que seria substituído por uma nova versão chamada "Tous anti-Covid" (Todos contra o Covid) em 22 de outubro. Embora admitindo o fracasso do aplicativo francês em comparação com os britânicos e alemães, ele também apontou que "ninguém foi capaz de fazer uma verdadeira ferramenta de alerta" - referindo-se ao baixo número de notificações em toda a Europa.

Diante do aumento dos casos, o primeiro ministro italiano Giuseppe Conte também reiterou a importância do rastreamento digital na cadeia de controle do vírus. "O aplicativo facilita o rastreamento de contatos e, embora seja opcional, existe certamente uma obrigação moral de contribuir para este programa", disse ele no início de outubro durante o lançamento de uma campanha para promover o aplicativo Immuni.

"O aplicativo não nos salva da pandemia, mas ao contrário do rastreamento manual de contatos, é um sistema de alerta e controle mais rápido e é menos caro e intrusivo", explica Ciro Cattuto, coordenador de uma equipe federal italiana que utiliza tecnologia para gerenciar a emergência. "Baixá-lo é um ato de responsabilidade e dever cívico", diz ele.

Cattuto cita um estudo publicado por colegas suíços mostrando que o rastreamento digital já está começando a dar frutos e que sua eficácia está próxima à do método manual. "Isto prova que as aplicações, se bem integradas aos sistemas nacionais de saúde como no caso suíço, têm uma eficácia incremental em comparação ao seu uso. O limiar de 60% foi uma má interpretação de um estudo publicado pela Universidade de Oxford", aponta Cattuto.

Diálogo entre aplicativos

Nessa cacofonia de sistemas, regras, limites e recomendações, ainda falta um ponto fundamental: a interoperabilidade entre as diversas soluções.

A Comissão Européia já avançou nesta direção em maio, publicando as diretrizes para aplicativos europeus de rastreamento de contatos - um esforço coordenado por um grupo de estados-membros chamado eHealth Network. Em meados de setembro começaram os testes no serviço de gateway europeu, criado para garantir um diálogo entre os aplicativos. Nesta primeira fase participaram países como República Tcheca, Dinamarca, Alemanha, Irlanda, Itália e Letônia.

Através deste gateway europeu, o aplicativo Immuni da Itália começou a se comunicar com soluções desenvolvidas na Irlanda e na Alemanha. "Foi um processo muito interessante que nos levou até este ponto", diz Paolo de Rosa, diretor de tecnologia do departamento italiano de transformação digital.

De Rosa destacou o grande mérito da Rede eHealth em permitir uma comparação construtiva dos diferentes sistemas em toda a Europa. "Todos puderam aprender com seus erros e abordar problemas comuns de uma maneira mais estruturada, inclusive com os dois fabricantes de sistemas operacionais Google e Apple".

E a Suíça? "Estamos a algumas semanas da solução", diz Bugnion, observando que o governo está trabalhando com 12 países europeus em uma solução de interoperabilidade.

O que está faltando, diz ele, é um acordo político bilateral ou multilateral para definir o perímetro das fronteiras entre os países. Como não membro da UE, a Suíça está no meio de difíceis negociações para seu acordo institucional-quadro com o bloco de 27 nações.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo