Descoberta científica suíça pode ajudar no combate à Covid-19

A descoberta realizada por uma equipe de pesquisadores suíços, alemães e americanos pode levar a uma vacina contra o coronavírus. © Keystone / Gaetan Bally

Uma proteína produzida pelo sistema imunológico humano pode inibir fortemente os coronavírus, incluindo o SARS-CoV2, o patógeno causador da Covid-19, dizem os pesquisadores suíços.

Este conteúdo foi publicado em 29. julho 2020 - 00:00
swissinfo.ch/fh

Um estudo realizado por uma equipe internacional, incluindo o Instituto de Virologia (IVI) da Universidade de Berna e o Departamento Federal Suíço de Segurança Alimentar e Veterinária, mostra que uma proteína produzida pelo sistema imunológico impede que o novo coronavírus se misture com as células hospedeiras. A chamada proteína LY6E impede que o coronavírus desencadeia uma infecção.

Esta descoberta, feita por pesquisadores da Suíça, Alemanha e Estados Unidos, cria esperanças de novos tratamentos.

"Queríamos descobrir quais fatores impedem que o coronavírus se propague dos animais para os seres humanos", disse Volker Thiel da IVI em uma declaração divulgada na terça-feira (28). "Agora conseguimos encontrar a agulha no palheiro, por assim dizer".

Pesquisadores haviam descoberto anteriormente que a proteína LY6E aumenta a probabilidade de infecção dos vírus da gripe que causam a gripe. A novidade é a descoberta de que a proteína LY6E tem o efeito oposto sobre os tipos de coronavírus na medida em que previne a infecção.

Isto foi demonstrado com sucesso em um modelo animal. Os pesquisadores observam que o coronavírus do rato usado no experimento difere significativamente do patógeno que causa a atual pandemia de Covid-19, causando hepatite em vez de doenças respiratórias. Ainda assim, é uma descoberta valiosa, dizem os pesquisadores.

"Nosso estudo fornece novos conhecimentos sobre a importância desses genes antivirais para o controle da infecção viral e para uma resposta imunológica adequada contra o vírus", disse Thiel.

O estudo foi publicado na revista Nature Microbiology.


Partilhar este artigo