Navigation

Pesquisadores suíços criam cartilagem de células-tronco da medula óssea

Cientistas do Hospital Universitário da Basileia produziram cartilagem articular de células-tronco da medula óssea impedindo-as de se transformarem em tecido ósseo.

Este conteúdo foi publicado em 20. abril 2018 - 09:30
Sustentto da cartilagem com intervenção (esquerda) em comparação com o desenvolvimento normal no tecido ósseo (direita) University of Basel

Em condições normais, as células estaminais/estromais mesenquimais da medula óssea dos adultos desenvolvem-se em tecido cartilaginoso que, depois, se remodela no tecido ósseo. O processo é semelhante ao que acontece depois de uma fratura, por exemplo.

No entanto, os pesquisadores descobriram que poderiam impedir que a cartilagem embrionária se transformasse em tecido ósseo, inibindo a via de sinalização de uma proteína específica chamada Proteína Morfogenética Óssea (BMP). Ao bloquear temporariamente receptores BMP específicos, eles conseguiram manter o tecido de cartilagem estável no laboratório e em ratos.

“É importante ressaltar que alcançamos nossos insights imitando os processos moleculares que ocorrem durante a formação da cartilagem embrionária”, disse o responsável do estudo, Ivan Martin.

Os resultados confirmam a importância do campo da "engenharia de desenvolvimento", onde os processos naturais são replicados para controlar o desenvolvimento de células estaminais e progenitoras adultas. Os pesquisadores da Basileia trabalharam com os Institutos Novartis para Pesquisa Biomédica, que produziram e forneceram os inibidores. Os resultados foram publicados na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

De acordo com Martin, a “cartilagem cultivada” poderia ser usada para tratar lesões de cartilagem e degeneração através da fabricação de enxertos de cartilagem, combinando-os com procedimentos existentes, ou liberando-os diretamente nas articulações. No entanto, transformar essa descoberta em uso clínico ainda está bastante longe, adverte o cientista.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.