Navigation

EPFL lança atlas 3D interativo de cérebro de rato

Pesquisadores do “Blue Brain Project”, em Lausanne, anunciaram o lançamento de um "Atlas Celular", uma simulação 3D, interativa e em constante evolução de um cérebro de rato.

Este conteúdo foi publicado em 28. novembro 2018 - 21:42
swissinfo.ch/dos
O responsável do Blue Brain Project, Henry Markram, apresentando um cérebro em 2016 Keystone

"É como passar dos mapas desenhados à mão a versões digitalizadas de imagens de satélite de cidades e pontos geográficos. Isso nos permite navegar pelo cérebro da mesma maneira como o Google Earth nos permite navegar pela Terra", assim descreve um dos pesquisadores do projeto.

O “Blue Brain Cell Atlas”, integra dados de milhares de colorações do tecido cerebral ao longo de cinco anos, oferecendo o primeiro atlas 3D digital de todas as células, em todas as 737 regiões do cérebro do rato.

Um comunicado de imprensa da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), onde o Blue Brain Project está baseado, descreveu o desenvolvimento como "um grande passo para uma simulação completa do cérebro de roedores" que também deve acelerar "massivamente" o progresso na ciência do cérebro humano.

+ sobre a pesquisa do cérebro desenvolvida em Lausanne

"Conhecer os componentes do circuito e como eles são organizados é um ponto de partida essencial para a modelagem do cérebro - assim como os dados demográficos são essenciais para modelar um país", disse o principal autor e criador do atlas, Csaba Erö.

O projeto vai além das tentativas anteriores de mapeamento, pois não consiste apenas em pilhas de fatias cerebrais, mas reúne todos os dados disponíveis em números e posições para cada célula conhecida no cérebro na forma de um atlas digitalmente navegável.

É também o primeiro atlas que é “dinâmico”, afirma a EPFL: isto é, à medida que os pesquisadores descobrem mais sobre o cérebro de roedores, eles podem contribuir para improvisar o atlas inserindo suas descobertas - algo que os autores desejam incentivar.

O Alas, que pode ser explorado aquiLink externo, foi publicado na revista "Frontiers in Computational Neuroscience".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.