Credit Suisse fecha agências e investe nos serviços digitais

O segundo maior banco da Suíça está substituindo o atendimento personalizado pela suposta maior eficiência e liberdade dos meios digitais. Credit Suisse

Em face do desafio criado pelos chamados neo-bancos, o Credit Suisse está lançando um novo serviço digital para seus clientes, incluindo um cartão de débito sem taxas de transação estrangeira. O banco vai fechar agências em toda a Suíça e está convertendo outros em um conceito de "bar digital".

Este conteúdo foi publicado em 11. setembro 2020 - 10:33
swissinfo.ch/mga

O segundo maior banco da Suíça revelou seu novo aplicativo bancário CSX na quinta-feira com características específicas voltadas para clientes mais jovens. É parte de um esforço mais amplo, anunciado no verão, para economizar custos e aprofundar seus serviços de e-banking.

Parte da estratégia do Credit Suisse para economizar CHF 100 milhões (US$109 milhões) envolve o fechamento de 35 de suas 146 agências bancárias no país. Isto segue uma tendência de fechamento de agências de todos os bancos, resultando em uma queda de 5.546 agências na Suíça em 1990 para 2.552 no final do ano passado.

Ao mesmo tempo, os bancos digitais se tornaram mais populares com vários recém-chegados oferecendo serviços mais baratos do que os bancos tradicionais. O Credit Suisse diz que suas aplicações CSX e CSX Young reduzirão os custos bancários e eventualmente incluirão serviços de investimento, pensão e hipotecas.

Ele enfrenta a concorrência de estrangeiros como Revolut e N26 e bancos digitais desenvolvidos no país, como o Neon.

O Credit Suisse também revelou um novo visual para suas agências remanescentes, que em breve serão chamadas de Bares Digitais. Estes combinarão aconselhamento sobre serviços digitais com consultas via videoconferência e espaços de trabalho conjunto (co-working) em cada local.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo