Navigation

O smartphone está se tornando a ferramenta bancária preferencial para um número crescente de usuários. © Keystone / Christian Beutler

Novos bancos digitais estão surgindo na Suíça sem uma única agência ou balcão.  Um deles, o Neon de Zurique, está apostando em fazer mais com menos e já atraiu 30.000 clientes.

Este conteúdo foi publicado em 18. agosto 2020 - 11:00
swissinfo.ch

O banco digital não está presente na prestigiosa Paradeplatz no coração de Zurique, o reduto simbólico dos bancos suíços. O NeonLink externo está localizado nos arredores da cidade, e nenhuma obra de arte, móveis elegantes ou pisos de mármore enfeitam seus escritórios. O interior é um edifício simples e aberto, com mobiliário mínimo. É um local típico para uma start-up que concentra seus esforços inteiramente no desenvolvimento de produtos.

Os neobancos comunicam-se com seus clientes puramente através de canais digitais. No Neon, ao abrir uma conta através de um aplicativo para smartphones, os clientes são solicitados a enviar uma foto de uma identificação oficial e os dados são verificados através de uma chamada de vídeo ou do procedimento de identificação digital aprovado pela Agência Suíça para o Mercado Financeiro (Finma).

O cliente então recebe um cartão de débito para compras na Suíça ou no exterior e tem uma conta bancária que permite depósitos (como salário) e pagamentos a serem feitos no país e no exterior.

Bancos como o Neon estão ganhando uma significativa fatia de mercado no setor bancário, pois oferecem mais soluções inovadoras para pagamentos online do que os bancos tradicionais, e geralmente com menos taxas. Eles também integram serviços de pagamento sem contato, como o Samsung Pay, mais facilmente em seus aplicativos.

"Vimos uma lacuna no mercado suíço, então decidimos desistir de nossos empregos e começar nossa própria empresa", diz Jörg Sandrock, CEO e co-fundador do Neon.

Ele é um dos quatro jovens ex-consultores financeiros que lançaram a start-up. Após uma fase inicial de testes, a empresa lançou oficialmente um aplicativo bancário em março de 2019 que já atraiu 30.000 clientes.


Menos taxas bancárias

A maioria dos bancos tradicionais cobra uma taxa anual de CHF 50-CHF 100 (US$55-$110) por um cartão de crédito padrão, além de entre 1,5% e 2,5% para cada pagamento com uma sobretaxa adicional de cerca de 2% sobre a taxa de câmbio nas transações no exterior. Se o dinheiro for retirado de um caixa eletrônico estrangeiro, uma comissão de CHF 10 é frequentemente cobrada.

Taxas mais baratas e transparentes são parte da razão do rápido sucesso dos neobancos em muitos países europeus, incluindo a Suíça, nos últimos anos.

No ano passado, o banco digital britânico Revolut abalou o setor bancário suíço quando anunciou que havia conquistado 250.000 clientes na Suíça, quase sem publicidade. O aplicativo Revolut já foi baixado 300.000 vezes - um número que muitos bancos suíços só podem desejar com seus próprios aplicativos.

O sucesso desses neobancos - também conhecidos como "bancos móveis" ou "telebancos" - aponta para uma mudança no setor bancário. Para muitos serviços financeiros, a proximidade física de um banco com seus clientes ou o relacionamento direto com conselheiros está se tornando menos importante.

As compras pela Internet também se tornaram mais populares, particularmente durante a crise do coronavírus. Novos operadores de pagamentos online surgiram, incluindo os gigantes da Internet que estão cada vez mais interessados em desenvolver novos serviços financeiros.

A política monetária dos bancos centrais, que se baseia em taxas de juros zero ou muito baixas, também reduziu drasticamente as margens de lucro dos bancos tradicionais. Há cerca de 20 anos, os bancos começaram a cobrar taxas mais altas e comissões de transação, fazendo com que muitos clientes buscassem alternativas.

Pouca pressão para inovar

A Associação Suíça de Banqueiros recentemente sublinhou em uma declaração a importância da digitalização dos serviços financeiros, enfatizando o progresso que os bancos suíços têm feito nesta área.

Muitos bancos estão fechando suas agências ou convertendo-as em centros de aconselhamento, concentrando-se em ofertas digitais. Até agora, no entanto, ofertas de e-banking, tais como aplicativos, não se mostraram suficientemente atraentes para a maior parte dos nativos digitais. Apenas um banco tradicional, Cler, desenvolveu um aplicativo comparável ao que os neobancos oferecem, de acordo com uma comparação feita pela Televisão Pública Suíça.

Será que os bancos suíços perderam uma oportunidade? "Acho que não, mas talvez eles tenham ficado um pouco paralisados por sua incômoda estrutura organizacional", diz Sandrock, da Neon. "Talvez houvesse menos pressão para serem diferentes na Suíça do que em outros países".

Sandrock observa que na Espanha, após a crise financeira de 2008, alguns bancos foram forçados a adotar uma nova estratégia para sobreviver. Na Inglaterra, a concorrência tem sido tão forte durante anos que os bancos também foram forçados a inovar para atrair novos clientes.

No entanto, de modo geral, os neobancos não conseguiram lançar uma sombra considerável sobre o setor bancário tradicional e seu escopo. Novos provedores estrangeiros como Revolut ou Transferwise (com os quais a Neon tem uma parceria) oferecem cartões de crédito e serviços de pagamento internacional, mas pouco mais. E os lucros dos neobancos são incomparáveis aos provenientes dos serviços de gestão de ativos que tornaram o centro financeiro suíço rico. Mas os bancos tradicionais estão nervosos com o rápido crescimento dos bancos "desafiadores" em um mercado cada vez mais aberto e competitivo.

Cooperação com parceiros

O Neon está convencida de que pode chacoalhar o mercado financeiro. De acordo com um estudo de 2019 do portal de comparação online Moneyland, o Neon obteve melhores notas do que os concorrentes estrangeiros e bancos suíços tradicionais ao comparar preços de serviços, comissões, taxas de câmbio e o custo do uso de cartões de crédito.

Mas o Neon não é capaz de fornecer uma série de serviços bancários, tais como negociação de títulos ou empréstimos hipotecários, porque não tem sua própria licença bancária. Em vez disso, ele trabalha com o Hypothekarbank Lenzburg, que administra suas contas de clientes.

O chefe do banco diz que isso é intencional.

"O que nos diferencia de um banco tradicional é o fato de que não queremos desenvolver e oferecer todos os produtos financeiros", diz Sandrock. "Trabalhamos com parceiros especializados em áreas que não nos cobrem".

"Acredito que este seja o futuro do negócio bancário, pois será cada vez mais difícil gerar lucros a partir do desenvolvimento independente de cada produto".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.