Navigation

A fotografia escultural de Hannah Villiger se desvela em Roma

Arbeit ("trabalho", 1980), C-print de polaroid sobre alumínio. THE ESTATE OF HANNAH VILLIGER. Skulptural (1984/85), C-print de polaroid sobre alumínio. THE ESTATE OF HANNAH VILLIGER. © photo Ela Bialkowska, OKNOstudio

O Instituto Suíço em Roma apresenta uma exposição dedicada à artista suíça Hannah Villiger, que passou um período de sua vida na capital italiana. A exposição oferece uma mostra transversal da carreira artística de Villiger que, embora utilizando a fotografia, sempre se considerou uma "escultora".

Este conteúdo foi publicado em 12. junho 2021 - 15:30
Gaia Bobò

A produção de Hannah Villiger (1951-97), grande parte da qual ainda não foi redescoberta, é a protagonista de Works/SculpturalLink externo, a primeira grande exposição individual da artista na Itália, que pode ser visitada até 27 de junho de 2021 no Istituto Svizzero di Roma. Com curadoria de Gioia Dal Molin, a exposição será acompanhada por um livro publicado pela Editora Mousse a ser lançado no verão de 2021, com contribuições da curadora, e dos críticos Elisabeth Bronfen, Quinn Latimer e Thomas Schmutz.

A exposição monográfica tem como objetivo promover o conhecimento da artista fora da Suíça, oferecendo uma visão retrospectiva de sua carreira artística com foco na influência do período de residência que passou na instituição Villa Maraini, onde foi bolsista de 1974 a 1976.

Após seus anos de formação na Suíça na Universidade de Artes Aplicadas de Lucerna, Villiger passou um tempo em Roma, onde permaneceu até 1977. Esta fase provou ser fundamental na definição de seu imaginário, pois graças a esta passagem ele pôde abordar as experiências que caracterizaram a cena cultural romana, antes de tudo a da Arte PoveraLink externo.

Ao mesmo tempo, a artista participava de importantes eventos artísticos europeus, como a Bienal de Paris de 1975, onde representou a Suíça junto com John Armleder e Martin Disler. 

Reconquistar o corpo

Sua paleta de formatos já começava a ser definida naqueles anos, nos quais a artista demonstrava interesse por linguagens como desenho e a performance. Seu manifesto interesse pela fotografia se estabeleceu definitivamente nos anos 80, quando, em parte como resultado de seus problemas de saúde, Villiger descobriu o imediatismo da câmera Polaroid como a última dimensão e medida de sua prática estética.

De fato, esta linguagem lhe permitiu não só evitar as onerosas idas e vindas ao laboratório para revelas os negativos, mas sobretudo para adquirir uma velocidade de visualização, e portanto de composição, adequada para tornar a mutabilidade e a fragilidade dos elementos que compunham sua vida cotidiana.

Os volumes capturados pela artista suíça Hannah Villiger (1951-97) são gradações de carne viva, massas transfiguradas envoltas em uma epiderme que se torna um espaço crítico, simbólico, político. Cópia da montagem de polaróides para o Bloco I (1988), Lambda Print. Hannah Villiger Nachlass / Gottfried-Keller Stiftung

Seu corpo, neste contexto, torna-se o elemento privilegiado de investigação, em torno do qual a artista desenvolveu uma prática representativa quase ritual, marcada por sessões de trabalho realizadas dentro de uma "arena" - um lençol branco deitado no chão - na qual as formas do corpo estão sujeitas a um processo de metamorfose.

Estas experiências alinham sua pesquisa com uma vertente fundamental da prática artística daquele momento, na qual o gênero do auto-retrato, historicamente uma prerrogativa masculina, é conquistado e reconquistado por experiências fundamentais femininas, como as de Eleanor Antin, Ana Mendieta e Cindy Sherman.

Entre os anos 80 e 90, Hannah Villiger exibiu seu trabalho em importantes instituições européias como a Kunsthalle de Basileia (1981 e 1985), o Centre Culturel Suisse em Paris (1986), o Museum für Gegenwartskunst de Basileia (1988/1989) e o Kunstverein em Frankfurt (1991).

Do ponto de vista da linguagem artística, suas fotografias resultam extremamente fragmentadas, quase abstratas, radicais em sua escolha para ocultar a capacidade de reconhecimento do corpo, que a partir de então se estabeleceu como o principal assunto de sua imaginação.

Hannah Villiger passou seus últimos anos em Paris, a cidade para onde ela se mudou em 1986. Este período foi marcado por sua participação na 22ª Bienal de São Paulo (1994), onde representou a Suíça junto com a artista Pipilotti Rist. O evento foi um dos mais concorridos da história da instituição brasileira, com 70 países participantes e um número recorde de visitantes. Sob a direção curatorial de Nelson Aguilar, o evento reuniu artistas consagrados - sendo Piet Mondrian um deles - e protagonistas da história contemporânea, incluindo Lucio Fontana, Robert Rauschenberg, Gerhard Richter e Rosemarie Trockel.

A produção artística de Hannah Villiger não parou até seu último suspiro. Apesar de sua saúde precária e de sua hospitalização, ela ainda criou seus "blocos" polaroides na primavera de 1997. Ela morreu de insuficiência cardíaca em agosto do mesmo ano, poucos dias após seu retorno à Suíça, no cantão de Aargau.

A exposição no Istituto Svizzero di Roma alterna trabalhos fotográficos em larga escala com anotações, documentos e desenhos, resultando em um diário monumental no qual a hierarquia entre trabalho e rascunho se desvanece em favor de uma narração total.

Temporalmente, a exposição começa com obras dos anos 70 e fecha com duas obras fotográficas dos últimos anos (1996; 1995/97), colocadas na primeira sala como que para sancionar a estrutura circular e fluida da mostra. Na segunda e terceira salas há uma constelação de imagens e esboços que refletem as visões e os casos amorosos da artista, documentando o potencial transformador de suas obsessões e sua síntese progressiva em direção a uma experimentação mais madura.
 

O movimento frenético da lente polaróide treme e perfura seu corpo, o campo de batalha de uma narrativa que é ao mesmo tempo íntima e universal. Na imagem: "Bloco XVIII", seis impressões de polaroids sobre alumínio. THE ESTATE OF HANNAH VILLIGER. Photo © Ela Bialkowska, OKNOstudio

Não são trabalhos fotográficos, mas esculturais

A representação do corpo mantém uma centralidade indiscutível na exposição, graças a uma sucessão de obras que narram sua gradual fragmentação através dos ambientes ecléticos da Villa Maraini. A presença de obras que partem do tema do corpo - Von der Terrasse, der Baum ("Do terraço, a árvore", 1984/85) na primeira sala da exposição -, assim como a seleção de Polaroids "descartadas" colocadas na última sala, na qual aparecem vistas de árvores, permite também uma amostragem do perímetro real de investigação do artista, destacando as trajetórias de um olhar que escrutina meticulosamente o que é imediatamente adjacente, alcançável pelos seus próprios braços, ou no horizonte mais próximo. 

A investigação sobre a plasticidade da imagem fotográfica, entendida como uma sucessão de volumes que transcendem a bidimensionalidade da foto, é uma nota fundamental na pesquisa da artista, tanto que ela mesma vai ao ponto de definir suas obras como escultóricas, sugerindo esta propriedade também através da escolha de títulos (Skulptural, Bildhauerei - Escultural, Escultura). Arquiteturas retorcidas no espaço, paisagens lunares, colinas e depressões aparecem em suas imagens criando um curto-circuito na função anatômica primordial do que é representado.

E são precisamente estas rupturas e dissimulações que se tornam os intérpretes do desejo de reapropriar-se do corpo, uma postura tomada por um olhar feminino historicamente situado e consciente. Hannah Villiger, com suas imagens, golpeia a tentativa historicizada de prevaricação do olhar masculino que a teria como objeto e nunca como sujeito, escrutinado e nunca escrutinando. "Através da repetição constante", diz a artista, "meu corpo se torna 'um corpo'". Assim, esta fragmentação obsessiva torna-se uma extensão do desejo de criar um corpo universal, irreconhecível e, portanto, inexpugnável.

Vitrine 1: Hannah Villiger, Diário de trabalho 06, 07, 08, 09, 1974 / 1975. THE ESTATE OF HANNAH VILLIGER. Parede, jardim de inverno: Arbeit ("trabalho", 1976), reimpressão. THE ESTATE OF HANNAH VILLIGER. © photo Ela Bialkowska, OKNOstudio

E este olhar que nos aproxima, distorce e aproxima pode ser considerado o verdadeiro tema da exposição no Istituto Svizzero, não só porque é reconstruído na cronologia de sua evolução, mas porque as distâncias infinitesimais percorridas são traçadas, mostrando como a artista, movendo-se apenas alguns passos, procurou incessantemente, e encontrou em si mesma, a proporção e a substância do mundo.

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?