Navigation

Os lugares que moldaram a lenda do tênis suíço

Dave Seminara diz que seu livro é "uma peregrinação para fãs e não uma biografia não autorizada" Dave Seminara

Um livro convida o leitor a conhecer os bairros e clubes da Suíça que ajudaram a transformar Roger Federer em um campeão.

Este conteúdo foi publicado em 15. março 2021 - 15:30
Tim Neville

Dave Seminara, escritor americano focado em viagens e esportes, autor recorrente no The New York Times, visitou algumas regiões não turísticas da Suíça, como Rapperswil e Münchenstein, para seu livro Footsteps of Federer: A Fan's Pilgrimage across 7 Swiss Cantons in 10 Acts. 

Ao longo do caminho, Seminara entrevista parentes distantes da família de Federer, conhece os lugares que o vencedor de 20 títulos de Grand Slam chama de lar e, com um toque pessoal, faz seu próprio retorno ao tênis em algumas quadras onde Federer cresceu. O livro é de leitura rápida e despreocupada, se inclinando mais para o gênero de viagens do que de biografia, ao mesmo tempo em que lança luz sobre algumas das peculiaridades pessoais do superastro.

A rua onde Federer cresceu em Münchenstein Dave Seminara

“Roger com suas centenas de milhões de dólares poderia morar em qualquer lugar que quisesse, mas ele não foi embora”, disse Seminara em uma entrevista por telefone de sua casa na Flórida. “Uma das principais coisas que eu queria descobrir era qual era a conexão entre Roger e a Suíça?”

Segundo muitos relatos, Federer, que completa 40 anos em agosto, está agora nos últimos anos de sua carreira como jogador de torneios, após duas cirurgias no joelho direito que o mantiveram fora das competições por 13 meses.

Enquanto isso, para Seminara, a Suíça era o lugar perfeito para se reaproximar de suas próprias habilidades no tênis, depois que um coquetel de doenças autoimunes o manteve fora do esporte por anos. À medida que sua saúde melhorava, também aumentavam suas ambições.

“Tudo isso começou como um mimo para mim”, diz Seminara, que também escreve para o The Wall Street Journal e a BBC Travel. “Senti que queria fazer algo totalmente benéfico e pensei: quero voltar ao tênis, mas não apenas nas quadras do bairro. Quero ir para a Suíça e jogar tênis nas quadras onde Roger jogou.”

O café no Tennis Club Old Boys Basel, onde Federer jogava quando criança Dave Seminara

Privacidade suíça

Como um fã obstinado, Seminara tentou dar o nome de Federer a um de seus filhos, mas sua esposa rejeitou a ideia (eles escolheram James). Então, em outubro de 2019, Seminara viajou pela Suíça por dez dias, primeiro relatando a história como um artigo de viagem para o The New York Times que ainda não foi publicado porque a pandemia suspendeu a maior parte da cobertura de viagens. Mesmo assim, Seminara percebeu rapidamente que tinha muito mais a dizer do que as 2.500 palavras que seu editor lhe designara e a ideia do livro nasceu.

Ao longo de 210 páginas, o livro leva os leitores à Abadia de Einsiedeln no cantão de Schwyz, região central da Suíça, onde Seminara encontra por acaso um membro distante do clã Federer que batizou os filhos de Federer, mais famosos. Ele conhece o dentista de Federer que calmamente revela que Mirka, a esposa de Federer, tem dentes excelentes.

Uma vista de Berneck, no nordeste da Suíça, de onde o clã Federer é originário Jakob Federer

Em Felsberg, no cantão de Graubünden, leste da Suíça, Seminara de repente se vê em uma partida de tênis de duas horas, a mais longa que conseguiu jogar em anos, em uma quadra de saibro onde Federer às vezes treina e insiste em pagar pelo café pós-treino. “Era um café horrível”, Seminara ri.

Dave Seminara após jogar uma partida na "Roger Platz", uma quadra com o nome de Federer no Tennis Club Felsberg Dave Seminara

Relatar a história fica estranho às vezes, especialmente na Suíça, onde as pessoas  geralmente levam sua privacidade (e a privacidade dos outros) mais a sério do que os americanos. Seminara é informado que não pode tirar fotos de uma quadra de tênis onde Federer às vezes joga.

Ele anda pelos bairros em busca de propriedades aleatórias que Federer comprou ao longo dos anos e depois se aproxima dos vizinhos para falar sobre isso, uma atitude que um dos amigos de Seminara em Liechtenstein admite que nunca faria. A certa altura, um dos contatos de Seminara se recusa a levá-lo a outra propriedade de Federer.

A casa em que o pai de Federer, Robert, cresceu em Berneck Dave Seminara

“Fiquei surpreso ao constatar que, para um país que valoriza tanto a privacidade, é fácil descobrir as transações imobiliárias das pessoas”, diz Seminara. “Federer tem privacidade de uma forma que as pessoas não o incomodam, mas a imprensa o cobre com bastante ligeireza”.

Aposentar-se na Basileia?

Uma voz que falta no livro, entretanto, é a do próprio Federer. Seminara fala de uma vez que conheceu o atleta brevemente em um torneio e de outra que, como repórter, fez algumas perguntas em inglês ao atleta depois de vê-lo vencer o torneio Swiss Indoors na Basileia pela décima vez em 2019. Uma entrevista frente a frente nunca foi realmente parte do plano.

“Fiquei surpreso ao constatar que, para um país que valoriza tanto a privacidade, é fácil descobrir as transações imobiliárias das pessoas.”

End of insertion

“Queria que o livro fosse uma peregrinação para os fãs e não uma biografia não autorizada”, diz ele. “Eu queria que fosse uma experiência real para os fãs.”

Se Seminara pudesse se sentar com Federer, no entanto, ele diz que gostaria de saber o que todo fã quer saber: “Por quanto tempo mais teremos o privilégio de assistir você jogar tênis?”

Então, quando Federer pendurará sua raquete? “Espero que não seja em breve”, diz Seminara, mas quando chegar a hora, ele acha que o torneio final de Federer será o suíço, dentro de casa. O evento deste ano está programado para a última semana de outubro.

“O torneio é muito especial para ele, embora não seja um dos maiores torneios do mundo”, diz Seminara. “Ele foi um gênio nesse torneio. Sua mãe, Lynette, trabalhou como voluntária no torneio. Fica a cinco minutos de onde ele cresceu. Quando ele se aposentar, sinto que ficará por lá, em casa.”

“Passos de Federer: uma peregrinação de fãs por 7 cantões suíços em 10 atos” foi lançado nos Estados Unidos em 2 de março e agora está disponível nas livrarias suíças.

Adaptação: Clarissa Levy

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.