Navigation

Crachá promove condições de trabalho justas

Autoridades no cantão de Vaud introduziram um projeto-piloto para combater a prática de pagar salários mais baixos para os trabalhadores estrangeiros. (SRF/swissinfo.ch)

Este conteúdo foi publicado em 07. julho 2016 - 11:00

Algumas empresas se tornaram conhecidas em pagar dois salários diferentes para o mesmo trabalho, com os estrangeiros recebendo um salário mais baixo do que os suíços.

O cantão de Vaud, na região oeste da Suíça, está agora criando um precedente na luta contra os salários rebaixados através da introdução de um crachá eletrônico para os trabalhadores do setor da construção.

As informações armazenadas no crachá eletrônico revelam se o trabalhador está empregado em condições equitativas e se os funcionários da empresa estão cobertos com todas as contribuições obrigatórias para a segurança social.

Graças ao sistema, os fiscais trabalhistas podem comparar rapidamente os dados do crachá para controlar se o trabalhador está sendo empregado segundo as condições vigentes.

No cantão de Vaud, até agora, foram emitidos cerca de 3 mil crachás, de um total de 21 mil trabalhadores no setor da construção. Os pedidos de crachás são avaliados por uma comissão conjunta de patrões e empregados.

Atualmente, os crachás são solicitados numa base voluntária. O projeto piloto está em vias de ser estendido aos cantões do Valais e Friburgo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.