No atelier das melhores flautas doces do mundo

Joel Meyer sticht mit dem Beitel das Labium, die dünne Holzzunge, die für die Klangproduktion der Blockflöte verantwortlich ist. Die Seitenränder des Labiums werden mit selbst hergestellten Spezialmessern in die definitive Form gebracht. Die Jungunternehmer müssen viele Werkzeuge selbst herstellen, weil sie im Verkauf nicht existieren. Ester Unterfinger/swissinfo.ch

A empresa familiar Meyerrecorders produz as melhores flautas doces do mundo. Como é que os três jovens empresários, os irmãos Joel e Sebastian Meyer mais Madeleine Imbeck, ganham a vida com este instrumento frequentemente subestimado?

Este conteúdo foi publicado em 25. dezembro 2019 - 11:00

Tudo começou quando Ernst Meyer, o pai de Sebastian e Joel Meyer, decidiu dedicar-se à teoria da música pura e seca quando jovem. Para isso ele escolheu a flauta doce, um instrumento que certamente não era adequado para qualquer virtuosismo. Logo, porém, ele não ficou satisfeito com o som dos instrumentos e começou a polir as flautas que havia comprado. Mas o som desejado não se concretizou, por isso ele próprio decidiu fazer os instrumentos.

Mestre rigoroso

O autodidata Ernst Meyer produziu flautas durante 40 anos e alcançou reconhecimento internacional com seus instrumentos. Ele treinou os seus filhos Sebastian e Joel nesta arte. Anos de prática e muita limagem são necessários para aprender esta arte de alta precisão. "Meu pai era um mestre rigoroso, ele nunca desistiu até atingir a perfeição absoluta", explica Joel Meyer.

Após a morte do pai, quando contavam respectivamente 28 e 32 anos de idade, os dois fundaram a Meyerrecorders juntamente com a flautista Madeleine Imbeck para continuar o negócio da família. Lá no meio do nada, na minúscula vila de Hemberg, cantão de St. Gallen, eles montaram suas oficinas. Nenhum deles pretendia originalmente tornar-se produtor de flauta, Sebastian se profissionalizou como escultor de pedra, e Joel queria estudar arquitetura.

O atelier de Sebastian Meyer fica ao lado da casa onde vive com sua família, no morro Hemberg, região de Toggenburg. Ester Unterfinger/swissinfo.ch

Natal é a época das flautas

Muitas crianças suíças se familiarizam com a flauta doce no primeiro ano da escola primária, o mais tardar. Para alguns, é uma praga, pois geralmente o instrumento guincha e distorce os sons que supostamente deveriam expressar a paz celestial . Foi por isso que a flauta caiu em descrédito como instrumento para iniciantes e a maioria das crianças muda rapidamente para outro instrumento. Exceto no Natal, quando a flauta é tirada de sua caixa empoeirada para o círculo familiar.

As flautas dos Meyers jogam numa liga superior, porém. Pode-se levar até um ano para fazer uma flauta, porque a madeira tem de secar e repousar. Uma vez terminada uma flauta, Madeleine Imbeck faz os testes de tocagem e som. Quando um músico adquire uma dessas obras-primas - as flautas custam entre 2600 e 3400 francos suíços - ele ou ela costuma voltar aos Meyers durante a fase de 'amaciamento' para afinar o instrumento.

Os dois artesãos e a flautista em sua oficina escondida do mundo. Ester Unterfinger/swissinfo.ch

Os três sócios são unidos pela sua absoluta devoção e paixão por este instrumento. Nenhuma flauta sai da oficina sem que eles estejam absolutamente convencidos da perfeição de seu som. "Essa é a nossa reputação", diz Sebastian com um olhar entusiasmado. "Tivemos um mestre tão talentoso que nos ensinou como enxergar o som no instrumento!"


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo