Navigation

Espião israelense condenado com sursis

Espião israelense foi condenado mas não revelou identidade Keystone

O agente do serviço secreto israelense preso na Suíça grampeando telefones foi condenado a um ano de prisão com susrsis e 5 anos de expulsão do território suíço. Mesmo condenado, sua identidade não foi revelada e ele será liberado imediatamente.

Este conteúdo foi publicado em 07. julho 2000 - 14:18

O julgamento durou a semana inteira no Tribunal Penal federal, em Lausanne, oeste da Suíça. Com a condenação do agente secreto israelense a 1 ano de prisão com sursis e 5 anos de expulsão, ele será liberado imediatamente evitando, assim, um eventual incidente diplomático com Israel.

O Tribunal julgou o espião culpado de praticar atos ilegais em país estrangeiro, de fornecer informações políticas e de uso reiterado de documentos falsos. Mesmo condenado, a verdadeira identidade do agente não foi revelada por medida de segurança. A Procuradoria havia requerido 15 meses de prisão e US 3.100 dólares de multa. A Defesa pediu absolvição.

O agente condenado e outras 4 pessoas foram presas em flagrante perto de Berna em fevereiro de 1998, quando instalavam um grampo telefônico no porão de um edifício. O dono do telefone era um libanês naturalizado suíço, que o serviço secreto israelense suspeitava pertencer a um grupo terrorista. Esse cidadão testemunhou no processo e negou qualquer ligação com o terrorismo.

Quando detidos, 4 pessoas conseguiram ludibriar a polícia e só o agente agora condenado passou dois meses em prisão preventiva. Depois, foi liberado sob fiança de US 1,7 milhão de dólares e a promessa do governo israelense de que ele compareceria ao julgamento.

Em comunicado divulgado à imprensa, o primeiro ministro israelense Ehud Barak disse estar "satisfeito" com o veridicto que permitirá que ele "retorne imediatamente a Israel". O Mossad, serviço secreto israelense, depende diretamente do chefe do governo e houve movimento de insatisfação entre os agentes devido o processo do colega na Suíça.

Swissinfo com agências

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?