Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Gripe suína já atinge Zurique

Celtura é a terceira vacina contra a gripe suína.

(Reuters)

O outono trouxe o frio à Suíça e a primeira onda de contaminações pelo vírus da gripe suína, o H1N1, já se anuncia. Três escolas da cidade de Zurique foram fechadas e as autoridades já registraram outros casos no cantão (estado).

Ao mesmo tempo, a multinacional farmacêutica helvética Novartis anuncia que uma terceira vacina contra o vírus, denominada "Celtura", foi aprovada pelas autoridades alemãs. Em outros países, como a Suíça, ela está ainda sendo analisada.

Segundo informações publicadas pelas agências de notícias, duas irmãs teriam levado o convidado indesejável a uma escola em Zurique: o vírus H1N1, o agente causador da gripe suína. Uma das crianças está na segunda série e a outra no jardim de infância.

O vírus chegou a três escolas da maior metrópole suíça. A informação foi confirmada às agências de notícia por Daniel Frey, diretor do Serviço de Saúde Escolar de Zurique. No total, foram contabilizados 30 casos suspeitos, dos quais seis já foram confirmados como sendo da gripe suína.

A escola Looren, no bairro de Witikon em Zurique, é a mais atingida. "Desde segunda-feiara, já foram fechados o jardim de infância e também uma sala da escola primária", explicou Frey. Nas duas salas foram constatadas vinte suspeitas, das quais duas foram confirmadas.

Critérios

A decisão de fechar uma classe na escola depende de vários fatores. "Quanto menor a criança doente, maior a probabilidade de fecharmos a classe. Nós analisamos se nela existem crianças, cujo potencial para adoecer é grande", afirma o diretor. Ele acredita que nas próximas semanas haverão mais casos suspeitos. "A gripe suína chegou a nós."

As autoridades tentam agora aplicar medidas para frear a propagação da doença. "Precisamos nos esforçar para não muitas crianças adoeçam de uma vez só", diz. A campanha de vacinação dos grupos de risco deve começar no cantão de Zurique e, provavelmente, em outras partes da Suíça, a partir da metade de novembro, quando as autoridades federais estarão distribuindo as vacinas autorizadas pelo Instituto Suíço de Produtos Terapêuticos da Suíça (Swissmedic).

Além dos casos registrados na cidade de Zurique, mais 40 crianças de quatro classes escolares no cantão com o mesmo nome foram enviadas para casa. "Não dispomos ainda de confirmações dos casos", diz Felix Dinkelmann, chefe do Serviço de Saúde Escolar do cantão de Zurique. Ele observa que várias suspeitas têm sido comunicadas pelas escolas às autoridades nos últimos dias.

Terceira vacina

Enquanto ainda não começa a campanha de vacinação, a Novartis anuncia que sua nova vacina contra a gripe suína, denominada "Celtura", foi aprovada pelas autoridades médicas da Alemanha. Estudos clínicos realizados em 1850 pessoas teriam comprovado a inocuidade da vacina fabricada a partir de uma base de cultura de células, declarou hoje a multinacional farmacêutica à imprensa.

Os efeitos colaterais mais detectados do novo medicamento são dores, inchações e machas vermelhas no local de aplicação, assim como febre leve, dores de cabeça e cansaço. Segundo a Novartis, não foram detectadas complicações sérias. A vacina também pode ser aplicada em crianças a partir dos seis meses.

A Novartis quer agora obter a aprovação em outros países. Na Suíça, a "Celtura" ainda não pode ser aplicada. Na semana passada, duas vacinas fabricadas a partir de ovos de galinhas foram aprovadas para uso no país: Pandemrix (GlaxoSmithKline) e Focetria (Novartis).

swissinfo com agências

Últimas informações do governo suíço

Durante a coletiva de imprensa do Ministério da Saúde (BAG, na sigla em alemão) organizada hoje (5/11), as autoridades presentes deram o quadro mais recente sobre a epidemia de gripe suína no país.

Assim como ocorreu no hemisfério sul, o inverno é uma época propícia para o vírus H1N1. "A pandemia já chegou ao norte da Europa", declarou Patrick Mathy, do BAG.

Atualmente 300 novos casos de pessoas que contraíram a doença já foram registrados. Nas últimas três semanas ocorreu uma multiplicação por dez do número de casos. Os principais centros atingidos são Genebra e o cantão do Tessin.

Seis pessoas enfermas estão sendo tratadas em UTIs, uma delas foi liberada hoje pelos médicos. Até hoje, ninguém morreu na Suíça devido ao H1N1.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×