Navigation

Mudança climática representa tempos difíceis para quem sofre de alergia

Hoje, 20% da população suíça sofre de alergia ao feno, em comparação com apenas 1% há 100 anos. Keystone / Angelika Warmuth

A estação do pólen está começando mais cedo e está ficando mais intensa a cada ano como resultado do aumento das temperaturas, de acordo com um extenso estudo realizado na Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 02. abril 2021 - 14:00
swissinfo.ch/fh

O Swiss Tropical and Public Health Institute (Swiss TPHLink externo) em colaboração com o Departamento Federal de Meteorologia e Climatologia (MeteoSwiss) descobriu que o aumento das temperaturas nos últimos 30 anos teve uma influência considerável no início, duração e intensidade da estação do pólen.

"Para pelo menos quatro espécies alergênicas, a estação do pólen de árvores começa agora mais cedo do que há 30 anos - às vezes até antes de janeiro", disse Marloes Eeftens, principal pesquisador e chefe do grupo no Swiss TPH. A duração e a intensidade da estação também aumentaram para várias espécies, o que significa que as pessoas com alergias sofrem mais tempo e reagem mais fortemente a concentrações mais elevadas.

Além disso, as alergias ao pólen estão se tornando cada vez mais difundidas. Hoje, 20% da população suíça sofre dealergia ao feno, em comparação com apenas 1% há 100 anos, disse o instituto suíço. O estudo sugere que isto pode ser devido a mudanças ambientais, como urbanização e hábitos de higiene.

O estudo, publicado na quarta-feira, é considerado a pesquisa mais abrangente sobre o pólen devido às mudanças climáticas feitas na Suíça. Os pesquisadores analisaram dados de pólen coletados entre 1990 e 2020 em 14 estações de monitoramento na Suíça e estudaram concentrações de pólen de 12 espécies vegetais diferentes. Estudos anteriores analisaram uma única espécie ou apenas algumas localizações.

Além da coceira nos olhos e dos espirros frequentes, as alergias ao pólen também podem ter impactos negativos sobre o sistema cardiovascular e a qualidade de vida em geral. Eeftens disse que pouco podemos fazer para evitar a liberação de pólen das plantas, mas que o estudo poderia ajudar a informar o planejamento urbano, especificamente plantas altamente alergênicas para parques e outras áreas densamente povoadas.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.