Navigation

Movimento artístico foi reação à 1ª Guerra Mundial

Zurique é o berço de um movimento artístico chamado Dadaísmo, ou Dadá, dedicado a atacar os valores culturais que seus membros acreditavam ter levado à Primeira Guerra Mundial. Tudo começou no Cabaret Voltaire, na parte antiga de Zurique, em fevereiro de 1916.

Este conteúdo foi publicado em 23. setembro 2014 - 11:00

A Suíça foi um país neutro durante a Primeira Guerra Mundial e muitos artistas europeus procuraram refúgio aqui, incluindo o fundador alemão do Cabaret Voltaire, Hugo Ball.

Os dadaístas publicaram livros, criaram pinturas e esculturas, mas o verdadeiro espírito Dadá estava em seus eventos: performances de cabaré, manifestações, declarações, confrontos, panfletagem e ações que hoje chamaríamos de teatro de guerrilha.

Quando Hans Arp e Richard Huelsenbeck se juntaram ao grupo, eles começaram a fazer colagens e esculturas em madeira. Os artistas do Cabaret Voltaire não se limitavam a ser pintores, escritores, dançarinos ou músicos; a maioria deles estava envolvida em várias formas de arte e na quebra das fronteiras que mantiveram as artes distintas uma da outra.

A casa onde ficava o Cabaret Voltaire foi cuidadosamente restaurada e transformada em um museu. É um memorial duradouro para os dadaístas, cujas atividades tiveram uma enorme influência sobre o desenvolvimento da arte do século XX.

(SRF/Julie Hunt)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.