O permafrost suíço continua derretendo

Uma geleira no leste da Suíça Keystone

O permafrost na Suíça aqueceu, inúmeros sinais de degradação foram observados e a maioria das geleiras derreteram muito mais rápido, conclui a Rede Suíça de Monitoramento do Permafrost (PERMOS) após 20 anos de observações.

Este conteúdo foi publicado em 23. julho 2020 - 09:15
swissinfo.ch/fh

As temperaturas do permafrost medidas em furos de sondagem aumentaram em todos os 15 locais de monitoramento, disseram os pesquisadores em uma declaração. A mais longa série de medições, datada de 32 anos atrás, da geleira de Corvatsch-Murtèl no vale do Alto Engadina mostra que o permafrost aqueceu cerca de 1°C a uma profundidade de dez metros e cerca de 0,5°C a uma profundidade de 20 metros desde o início das medições.

O conteúdo de água no permafrost também aumentou significativamente e a camada de degelo - a camada que atinge temperaturas positivas no verão - está agora vários metros mais profunda nos locais de perfuração.

Além disso, os movimentos das 15 geleiras pesquisadas, que consistem em rochas e gelo, aumentaram para vários metros por ano. No início das medições nos anos 90, eram vários decímetros por ano.

As tendências se intensificaram

PERMOS disse que estas tendências se intensificaram durante a última década. Os cinco anos mais quentes foram todos medidos depois de 2010.

Outra descoberta foi que as condições da neve têm uma influência sobre o aquecimento. Por exemplo, o inverno de 2016/2017, que viu relativamente pouca neve, interrompeu brevemente o aquecimento. PERMOS diz que isto acontece porque o solo poderia esfriar sem a cobertura isolante da neve.

O permafrost é o termo usado para descrever o material permanentemente congelado do solo. Na Suíça, ele é encontrado sob cerca de 5% da superfície do país, tipicamente em declives sombreados e faces rochosas acima de uma altitude de 2.500 metros.

Criado em 2000, PERMOS contém a maior coleta de dados do mundo sobre permafrost em regiões montanhosas com a série temporal mais longa, cobrindo mais de 30 anos.


Partilhar este artigo