Navigation

Cientistas inventam laser que detecta poluição

Pesquisadores em Lausanne desenvolveram uma fonte laser simples de infravermelho médio que pode ser usada para detectar poluição no ar ou moléculas na respiração de alguém.

Este conteúdo foi publicado em 05. abril 2019 - 09:30
Eirini Tagkoudi, Camille Brès e Davide Grassani, autores do estudo EFPL 2019

A nova tecnologia, desenvolvida por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), consiste em um laser com um chip fotônico medindo apenas alguns milímetros, que pode caber em uma maleta.

A pesquisa foi publicada recentemente na Nature CommunicationsLink externo.

Para criar o dispositivo compacto, a equipe combinou um laser de fibra disponível comercialmente com um chip de guia de ondas micrométrico para gerar ondas de luz no espectro infravermelho médio. Eles então adicionaram um espectrômetro para demonstrar o potencial desta fonte de luz, detectando com sucesso a presença e concentração de acetileno, um gás incolor e altamente inflamável.

O espectro infravermelho médio utilizado permite aos cientistas detectar uma variedade de partículas no ambiente, gases de efeito estufa ou até mesmo a respiração humana.

"Este dispositivo estabelece um novo padrão de eficiência", disse o pesquisador da EPFL, Davide Grassani. “Esta é a primeira vez que alguém criou uma fonte de laser espectroscópica totalmente integrada. Ela elimina o processo meticuloso de alinhar precisamente todas as partes em um sistema de laser convencional.

A descoberta abre o caminho para tecnologias de infravermelho médio miniaturizadas.

"Depois que desenvolvermos o sistema ainda mais, poderemos ver detectores on-chip que os cientistas poderão facilmente levar a campo", disse Camille Brès, coordenadora do projeto e chefe do Photonic Systems Laboratory, pertencente à Escola de Engenharia da EPFL.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.