Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Neutralidade Auxílio humanitário suíço à Coreia do Norte é desvinculado da política

A Suíça é um dos poucos países que ainda prestam ajuda humanitária à Coréia do Norte, apesar dos testes nucleares e de mísseis dessa ditadura asiática. O chefe da agência suíça de desenvolvimento em Pyongyang, Thomas Fisler, explica os motivos. 

O líder norte-coreano Kim Jong-un sendo recebido por oficiais durante parada militar

As provocações do líder norte-coreano Kim Jong-un deixam o mundo em suspense. Os recentes lançamentos de mísseis e testes atômicos tem causado diversas crises internacionais 

(Keystone)

Fisler, diretor do Escritório Suíço de Cooperação na Coreia do Norte, falou à rádio pública SRF na segunda-feira. A entrevista, em dialeto suíço-alemão, foi transcrita em partes e traduzida pela swissinfo.ch.

Os líderes da Coreia do Norte chocaram o mundo com uma série de lançamentos de mísseis e testes nucleares nos últimos dois meses, provocando uma áspera reação internacional. A Suíça, por sua vez, não pretende suspender sua ajuda humanitária, e a presidente Doris Leuthard reafirmou na segunda-feira a vontade do país de agir como mediador e ajudar a resolver a crise. 

A Coreia do Norte foi atingida por inundações em meados da década de 1990, prejudicando as safras e a infra-estrutura, e resultando em fome generalizada. 

SRF: Sobre os problemas na Coreia do Norte, comecemos pela pobreza. Há relatos sobre uma situação crítica em várias partes do país, e comparações foram feitas com a África. Isso é justificado? 

Thomas Fisler: É uma questão problemática, na minha opinião. A situação geográfica e o clima são completamente diferentes.

Thomas Fisler passou os últimos quatro anos na Coreia do Norte trabalhando para a Agência Suíça de Desenvolvimento e Cooperação (SDC), e agora est'a deixando o cargo para se aposentar

(SRF-SWI)

Mas há fatos inegáveis. É verdade, por exemplo, que uma em cada quatro ou cinco crianças menores de cinco anos sofre de desnutrição. Este é também um dos motivos do engajamento da Suíça. A pobreza é a principal causa das doenças.

SRF: O senhor menciona a fome e uma alta taxa de mortalidade infantil. Como o senhor se sente ao testemunhar tais casos? 

T.F .: Nem sempre é fácil detectar os sintomas imediatamente. Você precisa ser um especialista para saber se uma criança sofreu desnutrição ou falta de comida. Ou que a idade não condiz com o tamanho do corpo. Essa é a diferença com os casos que conhecemos a partir de imagens de crianças na África. (...)

SRF: A Suíça tem prestado auxílio humanitário à Coreia do Norte desde 1995. Não é questionável ajudar um regime tão controverso?

T.F .: a ajuda humanitária da Suíça não depende de uma situação política particular. Nós fornecemos assistência humanitária sempre que for necessário em todo o mundo. Especialmente nos casos em que temos garantia de que nosso auxílio beneficia aqueles que precisam disso. Portanto, temos nossos escritórios em vários outros países e esse é o meu trabalho.

SRF: A assistência suíça para a Coréia do Norte causa controvérsia entre o público suíço. Como o senhor costuma justificar a posição oficial?

T.F .: A ajuda humanitária é regularmente colocada em um contexto político. No entanto, este não é o nosso mandato. Temos de ajudar aqueles que estão em necessidade.

SRF: A maioria das organizações internacionais deixou a Coreia do Norte, algumas por vontade própria, ou por pressão do regime em Pyongyang. Por que a agência de desenvolvimento suíça ainda está presente?

T.F .: É porque ainda temos a oportunidade de fornecer ajuda. Somos aceitos. Esse é um dos motivos. Outras organizações de desenvolvimento tiveram problemas porque seus países atacaram a situação política. Ou porque seus orçamentos foram cortados ou reduzidos por causa da política da Coreia do Norte. No entanto, a assistência da Suíça permaneceu relativamente estável nos últimos cinco a sete anos.

SRF: Isso porque a Suíça é um país neutro?

T.F .: Sim, tenho certeza. Muitas vezes ouvimos que o envolvimento da Suíça é apreciado. Eu ouço do lado coreano que há um acordo entre as partes e que acham útil o que fazemos.

SRF: E quanto a compromissos? O senhor confia na boa vontade das autoridades norte-coreanas?

T.F .: Nós conseguimos alcançar um nível de cooperação que funciona bem. Existe uma certa confiança em todos os níveis que nos permite atingir as nossas metas. (...)

SRF: O programa da Agência Suíça de Desenvolvimento e Cooperação (SDC) prevê um orçamento de 30 milhões de francos (US$ 31,2 milhões) para os próximos quatro anos. Esse dinheiro é gasto para quê?

T.F .: Nós focamos em duas coisas: suprir alimentos e na construção de instalações de água potável. A água limpa é o primeiro passo para melhorar a saúde e a higiene. Muitos bebês sofrem de doenças causadas por água contaminada. Uma grande parte do dinheiro vai para entregas de leite em pó pelo Programa Mundial de Alimentos. O pó é usado para processar um biscoito nutritivo contendo vitaminas. Esses biscoitos, produzidos na Coreia do Norte, são entregues a crianças com até cinco anos em lares e creches. (...) Outro setor é a agro-silvicultura. Tentamos estancar a erosão do solo e ajudar a estabilizar a terra inclinada. (...) Na década de 1990, vastas extensões de terras montanhosas foram desmatadas para plantar milho. Ajudamos a re-florestar as encostas para estabilizá-las e cultivar plantios adequados.



Adaptação: Eduardo Simantob , swissinfo.ch e SRF (Programa Rendez-vous, 18.08.2017)

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.