Governo suíço exclui segundo lockdown

O ministro Alain Berset (centro) é informado sobre as medidas de segurança sanitária no estádio de St Gallen, no leste da Suíça. Keystone / Peter Schneider

O Ministro do Interior Alain Berset defendeu a política da Suíça para conter a pandemia da Covid-19, apesar de um aumento constante das infecções confirmadas.

Este conteúdo foi publicado em 13. outubro 2020 - 09:00
swissinfo.ch/fh

Berset disse na segunda-feira que o objetivo geral da estratégia era evitar a repetição do lockdown de três meses em todo o país, o que levou a uma quase paralisação da vida pública.

Ele repetiu que a estratégia atual, que passa a responsabilidade de novas restrições para as 26 autoridades cantonais ao invés do governo federal, era um método comprovado.

Sob o sistema federalista da Suíça, os cantões têm ampla autonomia, principalmente em questões tributárias, de saúde e educação.

Alain Berset, cuja pasta inclui a saúde, também descartou uma mudança na política de testes com foco em pessoas idosas e outros grupos de risco.

Ele pediu à população que aderisse às regras de higiene e saudou as medidas de proteção implementadas pelos clubes esportivos, que permitem, em especial, que os campeonatos nacionais de futebol e hóquei no gelo sejam disputados em estádios com um número limitado de espectadores.

Novas infecções

Os comentários de Berset seguem o aumento de casos confirmados da Covid-19 durante as últimas semanas, com críticos pedindo que o governo assuma novamente a liderança.

Atualmente não há nenhuma regulamentação nacional sobre o uso de máscaras faciais - exceto no transporte público - ou sobre o fechamento de bares e casas noturnas.

Enquanto isso, vários membros do grupo de trabalho Covid-19 do governo expressaram preocupação com o pico das infecções por Covid-19.

O epidemiologista Marcel Tanner pediu que a população se esforçasse mais para respeitar as regras de higiene, incluindo o distanciamento social, diante de um número crescente de pacientes com coronavírus admitidos nos hospitais.

O chefe do grupo de especialistas, Martin Ackermann, recomendou às autoridades que reimpusessem limites ao número de pessoas permitidas em reuniões públicas.

Ackermann disse à rádio pública suíça, SRF, no fim de semana, que era crucial estabilizar e reduzir o número de novas infecções por Covid-19.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo