Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Richard Balmforth e Natalia Zinets

KIEV (Reuters) - Forças ucranianas atacaram bases separatistas pró-Rússia nesta terça-feira em regiões do leste do país, com bombardeios aéreos e disparos de artilharia, depois que o presidente Petro Poroshenko anunciou que não iria renovar o cessar-fogo, mas prosseguiria com a ofensiva para livrar a Ucrânia de "parasitas".

Poucas horas após o anúncio de Poroshenko no início da manhã, os militares passaram à ação contra bases e postos de controle dos rebeldes no leste, região onde o separatismo está em efervescência desde abril.

Ao informar que as forças ucranianas haviam lançado ataques "por terra e ar", o Ministério da Defesa disse: "O plano dos terroristas de escalar significativamente o confronto armado vem sendo afetado e a ameaça de perdas para a população civil e o pessoal militar foi liquidada."

Não há até o momento relatos sobre vítimas.

Poroshenko, que acusa a Rússia de atiçar o conflito e permitir que combatentes e equipamentos cruzem a fronteira para dar apoio aos rebeldes, se opôs a uma nova prorrogação de um cessar-fogo unilateral de dez dias, depois de conversações por telefone que incluíram o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e os líderes da França e da Alemanha.

Demonstrando impaciência com o que ouviu de Putin, Poroshenko disse no comunicado da manhã desta terá-feira que a Ucrânia não viu "passos concretos para desescalar a situação, incluindo o fortalecimento dos controles na fronteira".

Reuters