Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Médicos do grupo Médicos Sem Fronteiras preparam a alimentação dos pacientes mantidos em uma área de isolamento de tratamento contra o Ebola, em Kailahun, Serra Leoa, em julho. 20/07/2014 REUTERS/Tommy Trenchard

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - Bancos internacionais de desenvolvimento estão preparando um pacote de empréstimos de emergência para três países do oeste da África assolados pelo vírus do Ebola, informaram autoridades das instituições nesta segunda-feira, quando líderes africanos se reuniram em Washington para uma cúpula sobre a região.

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Donald Kaberuka, declarou à Reuters que o banco irá disponibilizar fundos de imediato para Libéria, Serra Leoa e Guiné, cujos sistemas de saúde pública estão sobrecarregados pela epidemia. O pior surto de Ebola da história já matou quase 900 pessoas desde seu surgimento, em fevereiro.

Funcionários do banco disseram que o financiamento será de quase 60 milhões de dólares.

“Estes países precisam de apoio estrutural para erguer seus sistemas de saúde” ainda se recuperando de anos de conflito, afirmou Kaberuka. “Temos a ciência, a habilidade e os meios para conter esta coisa. Estou confiante nisso”, acrescentou.

O Banco Mundial anunciou até 200 milhões de dólares em financiamento de emergência para Guiné, Libéria e Serra Leoa. O montante também ajudará os países a melhorar os sistemas de saúde e a lidar com o impacto econômica da crise.

O financiamento é parte de um plano de auxílio de 100 milhões de dólares lançado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na semana passada. Na sexta-feira, a chefe da OMS, Margaret Chan, declarou que o Ebola está ultrapassando seus esforços para conter o surto e alertou para as consequências catastróficas se a situação se deteriorar.

Os EUA também irão oferecer mais ajuda para os países afetados e as agências internacionais que combatem a epidemia, fornecendo equipamentos e conhecimento técnico, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki.

Autoridades do Departamento de Estado estavam reunidos com o presidente de Guiné, Alpha Condé, e representantes de Libéria, Serra Leoa e Nigéria nesta segunda-feira para discutir o auxílio norte-americano.

Os presidentes de Libéria e Serra Leoa cancelaram seus planos para comparecer à cúpula para lidar com o surto em casa.

Na Nigéria, onde o norte-americano Patrick Sawyer morreu do Ebola no fim de julho depois de passar pela Libéria, a OMS relatou três novos casos, dois deles prováveis e um possível caso de Ebola.

Uma segunda norte-americana que contraiu o Ebola no oeste africano deve chegar a Atlanta na terça-feira, de acordo com o grupo cristão missionário SIM USA.

Serra Leoa e Libéria mobilizaram centenas de soldados nesta segunda-feira em caráter emergencial para combater a doença. O surto começou nas florestas do remoto leste da Guiné em fevereiro.

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Reuters