Navigation

China ainda tenta retirar trabalhadores do Iraque

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2014 - 13:35

PEQUIM (Reuters) - A China disse nesta quinta-feira que ainda estava tentando retirar um pequeno número de trabalhadores chineses do Iraque, e que tem coordenado a ação com o governo iraquiano para garantir a segurança deles.

De acordo com a mídia estatal chinesa, citando fontes não identificadas, mais de 1.000 trabalhadores de uma companhia chinesa de máquinas estavam presos em uma usina de eletricidade, e o Exército do Iraque havia enviado parte deles de volta após alguns chegarem perto de Bagdá de ônibus.

A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse não ser verdade que o Iraque não estava ajudando na retirada, embora ela tenha se recusado a confirmar ou negar o relato sobre os trabalhadores presos.

Há mais de 10 mil trabalhadores chineses no Iraque e a “ampla maioria” está em áreas seguras, com apenas um pequeno número presente em partes mais perigosas do país, disse Hua a jornalistas.

“Estamos coordenando de perto com o lado iraquiano para fornecer garantias de segurança para a retirada destas pessoas e garantir que as remoções necessárias possam acontecer bem”, disse ela.

(Por Ben Blanchard e Hui Li)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.