Navigation

Destroços em chamas de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia

Local da queda de avião da Malaysia Airlines em Grabovo, na região de Donetsk. 17/07/2014 REUTERS/Maxim Zmeyev reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. julho 2014 - 18:22

GRABOVO Ucrânia (Reuters) - Dezenas de corpos estavam espalhados ao redor dos destroços ainda em chamas de um avião de passageiros que caiu no leste da Ucrânia nesta quinta-feira, constatou um repórter da Reuters no local.

Um funcionário dos serviços de emergência disse que pelo menos 100 corpos tinham sido encontrados até o momento no local, perto do vilarejo de Grabovo, e que pedaços de corpos estavam espalhados por até 15 quilômetros.

Partes quebradas das asas do avião estavam marcadas com tinta azul e vermelha, as cores do emblema da Malaysia Airlines, que perdeu o contato com um Boeing 777 que ia de Amsterdã para Kuala Lumpur, levando quase 300 pessoas.

"Eu estava trabalhando no campo com o meu trator quando ouvi o barulho de um avião e então uma explosão e tiros. Então eu vi o avião bater no chão e quebrar em dois. Tinha muita fumaça preta", disse uma testemunha que se identificou apenas como Vladimir.

Um rebelde separatista da localidade próxima de Krasni Luch que se identificou apenas como Sergei disse: "Da minha varanda eu vi o avião começando a descer de uma altitude muito grande e então escutei duas explosões". Ele negou que os rebeldes tenham derrubado o avião.

"Isso somente poderia acontecer se fosse um caça ou um míssil terra-ar (que tenha abatido o avião de passageiros)", disse ele, acrescentando que os rebeldes não têm armas capazes de abater um avião sobrevoando tão alto.

Todas as 295 pessoas à bordo do avião morreram, disse um funcionário do Ministério do Interior ucraniano que culpou os "terroristas", afirmando que teriam usado um míssil terra-ar para abater o avião.

(Reportagem de Anton Zverev)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.