Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Palestinos coletam restos de corpos em uma escola gerida pela ONU atingida por um ataque terrestre de Israel, em Jebalya, na Faixa de Gaza. 30/07/2014. REUTERS/Mohammed Salem

(reuters_tickers)

JERUSALÉM (Reuters) - Os militares israelenses, em uma primeira resposta à morte de 19 palestinos em uma escola administrada pela ONU em Gaza nesta quarta-feira, disseram que militantes próximos à instalação atiraram bombas de morteiro e as forças israelenses foram obrigadas a revidar.

"Mais cedo nesta manhã, militantes atiraram projéteis de morteiros contra soldados (israelenses) a partir dos arredores da escola da Unrwa ( a agência da ONU para os refugiados palestinos) em Jabalya (um campo de refugiados). Em resposta, os soldados atiraram em direção à origem dos disparos, e nós ainda estamos analisando o incidente", disse uma porta-voz militar.

Um funcionário da ONU disse que 19 pessoas dentro da escola foram mortas quando cinco projéteis lançados por tanques atingiram o local.

(Reportagem de Ari Rabinovitch)

Reuters