Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PARIS (Reuters) - Autoridades francesas defenderam a decisão do presidente François Hollande de prosseguir com a entrega de uma embarcação de guerra para a Rússia, apesar de pedidos contrários feitos pela Grã-Bretanha e Estados Unidos, seus aliados.

Às vésperas de um encontro da União Europeia para discutir sanções contra Moscou sobre a derrubada de um avião civil na Ucrânia, Hollande disse na noite de segunda-feira que o primeiro navio de guerra Mistral, utilizado como base de helicópteros, seria entregue conforme planejado em outubro, mas uma decisão de enviar uma segunda embarcação dependeria da atitude da Rússia.

Foi o sinal mais claro até o momento de que o governo francês pretende prosseguir com um controverso negócio, apesar da crise na Ucrânia. Os comentários foram feitos poucas horas após o primeiro-ministro britânico, David Cameron, ter dito que seria “impensável" para seu país conceder tal pedido.

“Hollande não está recuando. Ele vai entregar o primeiro (navio) apesar do fato de estar sendo solicitado a não fazer isso”, disse nesta terça-feira a uma TV local Jean-Christophe Cambadelis, chefe do Partido Socialista, o mesmo de Hollande.

“Este é um falso debate liderado por hipócritas… quando você vê quantos oligarcas (russos) têm buscado refúgio em Londres, David Cameron deveria começar por limpar seu próprio quintal”, acrescentou.

O contrato de 1,2 bilhão de euros (1,62 bilhão de dólares) pelos dois navios de guerra, assinados pelo governo conservador do ex-presidente Nicolas Sarkozy em 2011, foi o primeiro realizado por um país membro da Otan para fornecimento de equipamento militar à Rússia.

Reuters