Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Jeffrey Heller
JERUSALÉM (Reuters) - Israel anunciou nesta quarta-feira que vai limitar durante dez meses a ampliação de assentamentos na Cisjordânia a fim de estimular a retomada do processo de paz. Mas os palestinos acharam a medida insuficiente.
Os Estados Unidos elogiaram a decisão do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que não inclui assentamentos em áreas da Cisjordânia incorporadas ao município de Jerusalém e projetos já em andamento - ficando, assim, aquém do congelamento total reivindicado pelos palestinos.
Em pronunciamento pela TV, Netanyahu disse que agora cabe aos palestinos um gesto à altura. "Israel hoje deu um largo passo na direção da paz. É hora de os palestinos fazerem o mesmo", afirmou.
Mas Nabil Abu Rdainah, porta-voz da Autoridade Palestina, disse que "qualquer retorno às negociações deve ter por base o completo congelamento dos assentamentos, acima de tudo em Jerusalém".
Com a medida, aprovada pelo gabinete de segurança de Netanyahu, não serão concedidos nos próximos dez meses alvarás para novas construções residenciais "na Judeia e Samaria," termo usado em Israel para abranger a Cisjordânia, exceto a parte anexada à periferia de Jerusalém.
O grupo pacifista israelense Peace Now, contrário à existência dos assentamentos nos territórios ocupados, qualificou a decisão de "histórica".
Netanyahu agora pode esperar uma redução na pressão internacional e talvez o apoio explícito dos EUA, que vinham cobrando limites aos assentamentos. Ele transfere ainda para os palestinos o ônus da retomada do processo de paz sem precondições, conforme pede Washington.
Minutos depois do pronunciamento de Netanyahu, a medida foi elogiada pela secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, e pelo representante especial da Casa Branca para o Oriente Médio, George Mitchell.
Mitchell salientou que os EUA continuam não aceitando a legitimidade dos assentamentos, mas afirmou que o congelamento parcial terá um "impacto substancial" sobre os esforços para resolver o conflito.
Netanyahu rejeitou a suspensão total na construção dos assentamentos, alegando que o "crescimento natural" das famílias dos colonos deve ser contemplado.
A coalizão de governo de Israel inclui partidos ligados aos colonos, mas aparentemente não há risco de racha no gabinete.
(Reportagem de Erika Solomon em Ramallah)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters