Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Corpos de oito membros da mesma família que médicos dizem terem sido vítimas de um ataque aéreo de Israel no domingo, em uma mesquita de Gaza. 21/07/2014. REUTERS/Suhaib Salem

(reuters_tickers)

Por Nidal al-Mughrabi e Crispian Balmer

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Forças israelenses mataram 10 militantes palestinos que se infiltraram em Israel nesta segunda-feira através da fronteira de Gaza, por meio de túneis escondidos, disseram militares, elevando para cerca 500 o número de palestinos mortos, incluindo quase 100 crianças, em duas semanas de conflito.

Em meio a crescentes apelos internacionais por uma trégua, e um apelo do Conselho de Segurança da ONU por um cessar-fogo imediato, os jatos de Israel, tanques e artilharia continuaram a bombardear a Faixa de Gaza, tendo matado 28 membros de uma mesma família perto da fronteira com o Egito, disseram médicos.

O grupo islâmico Hamas e seus aliados dispararam diversos foguetes contra regiões no centro e no sul de Israel, e pesados combates foram relatados no norte e no leste de Gaza.

Ataques ininterruptos aumentaram o número de palestinos mortos para 496, incluindo quase 100 crianças, desde que o confronto começou, em 8 de julho, de acordo com representantes médicos de Gaza. Israel diz que 18 de seus soldados e 2 civis morreram.

Ainda nesta segunda-feira um projétil disparado por um tanque israelense atingiu o hospital de Al-Aqsa, no centro da Faixa de Gaza, matando quatro pessoas e ferindo 16, de acordo com o porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf Al-Qidra.

O porta-voz afirmou que o terceiro andar abrigava uma Unidade de Terapia Intensiva e salas de cirurgia. Outros projéteis caíram no entorno do hospital, acrescentou. Autoridades pediram ajuda à Cruz Vermelha para a remoção de pacientes. Os militares israelenses não fizeram comentários de imediato sobre o hospital.

Militantes palestinos anunciaram ter capturado no fim de semana um soldado israelense na Faixa de Gaza, mas o representante de Israel na ONU negou a informação.

Apesar de pedidos do mundo todo pelo fim do pior episódio de violência entre palestinos e israelenses em mais de cinco anos, ministros de Israel descartaram a possibilidade de qualquer trégua imediata.

“Esta não é a hora de falar de cessar-fogo”, disse Gilad Erdan, ministro das comunicações e membro do gabinete interno de segurança do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

“Devemos completar a missão, e a missão não pode ser terminada até que a ameaça dos túneis seja removida”, disse ele a repórteres.

Por sua vez, o Hamas, enfraquecido pela perda do Egito e Síria como aliados, expressou determinação de lutar para romper o cerco econômico de Israel sobre Gaza.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, deve voar para o Egito mais tarde nesta segunda-feira como parte de um esforço para parar a violência, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, está viajando pelo Oriente Médio para tentar assegurar um cessar-fogo.

Embates antigos entre Israel e seus inimigos em Gaza e no Líbano geralmente acabaram quando os Estados Unidos, um grande aliado do Estado judaico, pediu o fim das agressões, solicitação geralmente motivado quando um ataque causava grandes baixas civis do lado árabe.

Embora Washington tenha concordado com a posição o Conselho de Segurança, no domingo, os norte-americanos até agora defenderam as ações de Israel e evitaram pressionar Netanyahu publicamente para que interrompesse os ataques.

A violência na fronteira de Gaza se intensificou nesta segunda-feira, e sirenes soaram em grande parte do centro e do sul de Israel por conta da iminência de ataques de foguetes inimigos. Pelo menos nove foguetes foram interceptados por sistemas antimísseis de Israel, disse o Exército.

Buscando levar a luta para solo israelense, dois grupos de combatentes palestinos vindos de Gaza cruzaram a fronteira através de dois túneis, abrindo fogo ao entrarem em território israelense.

Vídeos gravados por câmeras de segurança, fornecidos pelo Exército, mostraram um grupo de cinco ou seis homens se agachando na grama e atirando. Segundo depois, eles foram atingidos por uma grande explosão, a qual gerou uma coluna de fumaça no ar.

Uma porta-voz militar de Israel disse que pelo menos 10 militantes morreram. Ela não comentou as informações sobre mortes entre forças israelenses. O Hamas disse ter destruído um jipe do Exército durante o avanço.

Reuters