Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ônibus tombado por uma escavadeira em Jerusalém. 4/08/2014. REUTERS/Ammar Awad

(reuters_tickers)

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Um palestino matou um israelense e virou um ônibus com uma escavadeira nesta segunda-feira, e um atirador feriu um soldado em ataques em Jerusalém que pareceram ser uma reação à guerra de Israel na Faixa de Gaza.

Não havia passageiros no ônibus, no bairro judeu ultraortodoxo da cidade. Imagens de câmeras de segurança transmitidas na televisão israelense mostraram o braço mecânico da escavadeira abrindo a lateral do ônibus capotado na calçada.

A polícia identificou o motorista como um palestino de Jerusalém Oriental e descreveu o incidente como um ataque terrorista. Os policiais o mataram a tiros, e imagens da TV exibiram o corpo do homem dependurado da cabine da escavadeira.

Várias horas mais tarde, um atirador disparou contra um soldado, ferindo-o no estômago, e saltou em uma moto que o esperava, informou a polícia.

“Temos uma grande suspeita de que isto foi um ataque terrorista”, disse Yossi Parienti, chefe de polícia de Jerusalém, à rede de TV Channel Two.

Tel Aviv, o coração comercial de Israel, foi colocada em alerta. A polícia montou barreiras nas ruas, causando congestionamentos generalizados, embora mais tarde tenham sido removidas.

Ninguém assumiu de imediato a autoria dos ataques desta segunda-feira, mas um porta-voz do Hamas, o grupo que controla a Faixa de Gaza, declarou: “Louvamos as operações heroicas e corajosas em Jerusalém, uma reação natural aos crimes e massacres da Ocupação (de Israel) contra nosso povo em Gaza.”

Descrevendo o incidente com a escavadeira, Parienti afirmou que o veículo “atingiu um cidadão israelense em um canteiro de obras e seguiu cerca de 50 metros pelo rua, onde virou o ônibus com seu braço, ferindo levemente três pessoas”.

O ministro da Segurança Interna, Yitzhak Aharonovitch, disse que o conflito de quase quatro semanas despertou temores de ataques a cidades israelense.

“Desde o momento em que os combates começaram no sul, percebemos que agressões individuais como esta podiam acontecer, e ataques com tratores são comuns em Jerusalém”, declarou Aharonovitch ao canal Channel 2.

“Toda a família (do motorista) está sendo interrogada. Queremos saber quem o enviou, se estava agindo sozinho, se pertencia a uma rede, todas essas coisas estão sendo verificadas.”

Em dois incidentes em julho de 2008, veículos de construção guiados por palestinos atingiram ônibus israelenses e pedestres, matando três pessoas. Nos dois casos, os agressores foram mortos a tiros.

Três anos depois, um mototista de caminhão árabe atingiu carros e pedestres em Tel Aviv, matando uma pessoa, no que a polícia afirmou ter sido um ataque deliberado. O motorista foi preso e sentenciado à prisão perpétua.

(Reportagem adicional de Maayan Lubell e Ori Lewis, em Jerusalém; e de Nidal al-Mughrabi, em Gaza)

Reuters