Navigation

Líbia vai transferir novo Parlamento para Benghazi apesar de insegurança

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2014 - 23:23

TRÍPOLI (Reuters) - O novo Parlamento da Líbia irá realizar suas sessões em Benghazi, cidade portuária no leste do país, a partir de 1º de agosto para ajudar a implantar instituições estatais em uma região onde a lei e a ordem praticamente desapareceram, disseram autoridades nesta quinta-feira.

Na quarta-feira, o Estado do norte da África elegeu uma nova assembleia em uma votação marcada pelo baixo comparecimento e pela violência, inaugurando um novo capítulo na instável transição líbia para a democracia desde a queda do autocrata Muammar Gaddafi em 2011.

Autoridades do atual Parlamento disseram que a próxima assembleia irá se fixar na segunda maior cidade do país, parte dos esforços para reafirmar a autoridade estatal no subdesenvolvido leste, longamente negligenciado por Gaddafi.

A segurança entrou em colapso em Benghazi desde que o general rebelado Khalifa Haftar declarou guerra aos militantes islâmicos do leste em meados de maio, transformando partes da cidade em zonas de batalha.

Não ficou claro como o governo irá proteger o Parlamento dos grupos armados. Benghazi, como grande parte da Líbia, é efetivamente controlada por milícias que apoiaram a revolta que derrubou Gaddafi, mas que hoje agem por conta própria.

(Reportagem de Ahmed Elumami, Feras Bosalum e Ayman al-Warfalli)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.