Navigation

Líderes da UE concordam em ampliar sanções a empresas russas

Este conteúdo foi publicado em 16. julho 2014 - 22:46

BRUXELAS (Reuters) - Os líderes da União Europeia (UE) concordaram nesta quarta-feira em ampliar as sanções contra a Rússia, ao mirar empresas que ajudam a minar a soberania ucraniana, e elaborar uma primeira lista de empresas e pessoas a serem alvos de congelamento de bens até o fim de julho.

Os líderes da UE também decidiram pedir ao Banco Europeu de Investimento para suspender a concessão de novos empréstimos à Rússia e buscar a suspensão de novos financiamentos aos russos pelo Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento, de acordo com comunicado divulgado em reunião de cúpula da UE.

A UE irá também estudar a possibilidade de impor sanções a empresas e pessoas que apoiam os tomadores de decisões russos responsáveis ​​pela anexação da região ucraniana da Crimeia e de desestabilizar o leste da Ucrânia.

Mais cedo, os Estados Unidos também anunciaram sanções mais abrangentes contra a economia da Rússia, incluindo as empresas Gazprombank e Rosneft Oil, além de outros grandes bancos e companhias de energia e defesa. [nL2N0PR2LY]

(Reportagem de Adrian Croft)

((Tradução Redação São Paulo; +5511 5644-7731)) REUTERS BM PD

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.